Outros hits dos anos 2000

Como alguns de vocês que acompanham o blog devem saber, eu sou uma cria dos anos 90 – novelas da Thalía, Bambotchan, Boquinha da Garrafa, prova da Banheira do Gugu, Só pra Contrariar e Disk MTV com Britney e Christina. Apesar de ter sido exposta ao pop ainda criança, influenciada por minhas primas que assistiam religiosamente à MTV, só depois de 2005 que realmente tive uma espécie de “despertar da cultura pop”. A minha relação com tudo que surgiu após esse ano tem um misto de nostalgia, proteção e vergonha alheia; enquanto tudo aquilo entre 2002 e 2004 eu vejo com um olhar mais distante e crítico, porque nessa época, eu conhecia os artistas famosos graças às conversas com os colegas, as músicas que o pessoal trazia pra escola no famigerado MICRO SYSTEM (smartphone e Spotify não existiam nessa época), ou o que tocava na novela. Ou seja, foi tudo muito mainstream e de segunda mão, e baseado nos sentimentos e gostos de outras pessoas – o que me ajudou a ter uma visão mais objetiva sobre o mundo pop quando se fala dos grandes nomes desse período.

Ao mesmo tempo, por ter “despertado” lá para os 15 anos, e não ter sido stan de ninguém com muito afinco (simpatizava e curtia muito um ou outro artista, até comprava CD; mas nada como hoje em dia, que tenho várias revistas, álbuns com versões deluxe, pôster no quarto e fui a show), só fui me tornar fã de verdade mais tarde – com 19/20 anos, quando pra muita gente essa vivência é amplamente sedimentada. De certa forma, sou uma stan bem pé no chão e não tenho medo de fazer críticas quando necessário.

Por isso, eu acabo me lembrando do que houve no pop na década de 2000 pensando nos superstars que bombaram no período; e nas músicas que apareciam volta e meia no MTV Hits, ou no comercial da Globo FM, que sempre contava com as clássicas baladas anos 90 e uma ou outra uptempo; e por essa mesma razão – pra me lembrar de clássicos esquecidos, one hit wonders e músicas de uma década em que tudo aconteceu e tudo foi testado – que este post foi criado.

A ideia de Outros hits dos anos 2000 é não ir atrás do Timberlake, Britney, P!nk, Beyoncé ou Rihanna. Aqui eu vou atrás de quem bombou num período e depois flopou, one hit wonders, músicas que eu aposto que você conhece, mas nunca ligou o nome à pessoa, ou mesmo os primeiros singles de artistas que hoje estão em todo canto (mas que não são os supracitados). A playlist completa você confere no Spotify, enquanto aqui você confere os alguns destaques.

Dê um pulo e aproveite a viagem!

Continuar lendo

Anúncios

Previsões para o Grammy 2016

UPDATE: você pode conferir as previsões atualizadas (chamadas de “The Madness Edition”) aqui

A temporada de especulações sobre o Grammy do ano que vem começou! Jornalistas americanos como Paul Grein já fizeram suas previsões em JUNHO, mas seguindo a linha temporal do ano passado, decidi fazer as previsões por agora. O material já é vasto e os possíveis indicados estão meio que na cara, então acho que teremos pouquíssimas surpresas daqui até o final do ano. O período de eligibilidade para o Grammy vai de 1º de Outubro de 2014 até 30 de Setembro de 2015, ou seja, as bandas e os artistas que lançaram singles e álbuns nesse meio tempo podem submeter suas canções para a bancada do Grammy e torcer para que as escolhidas entrem no corte final.

A minha análise se restringe ao pop field, onde as cartas já estão lançadas desde o lançamento do “1989”, pra ser bem honesta, mas a depender do que as gravadoras mandem, podemos ter surpresas.

(lembrando que eu upo as previsões após o dia 30 de setembro com novas possibilidades porque até lá, muita água pode rolar)

A pergunta que não quer calar é: em quem já podemos apostar nossas fichas? Clique em “continuar lendo“!

Continuar lendo

Design de um Top 10 [19] Taylor Swift e mais 17 pessoas curtiram este post

Banner-Design-de-um-Top-10

Um vídeo cheio de estrelas, de uma música que já tinha buzz desde antes de termos ouvido um acorde da canção, e que teve mais buzz ainda com todo o suspense com as participações especiais. Tudo isso não seria possível sem um vídeo extremamente bem feito, dirigido de forma magistral por um dos grandes videomakers da atualidade e com elementos importantes que fizeram de música/vídeo uma combinação excelente para superar um dos hits do ano, que era imparável há seis semanas.

Comemorem, Swifties: “Bad Blood” chegou à liderança na Billboard Hot 100! O nosso “Design” de hoje vai falar sobre como o quarto single do “1989” ascendeu ao topo e colocou Taylor Swift como a única mulher até agora a conseguir #1 em 2015.

 

Top 10 Billboard Hot 100 (06/06/2015)

1. “Bad Blood” – Taylor Swift (feat. Kendrick Lamar)
2. “See You Again” – Wiz Khalifa (feat. Charlie Puth)
3. “Trap Queen” – Fetty Wap
4. “Shut Up and Dance” – Walk the Moon
5. “Earned It” – The Weeknd
6. “Uptown Funk” – Mark Ronson (feat. Bruno Mars)
7. “Want to Want Me” – Jason Derulo
8. “Hey Mama” – David Guetta (feat. Nicki Minaj, Bebe Rexha e Afrojack) *
9. “Sugar” – Maroon 5
10. “Nasty Freestyle” – T-Wayne

 

Taylor SwiftCom um salto de 52 posições, Taylor Swift colocou o quarto single do seu aclamado álbum “1989” na primeira posição da Billboard, interrompendo com o que prometia ser mais uma longa jornada de um #1 no topo, com “See You Again”. O vídeo viral de “Bad Blood”, que trouxe um elenco estrelado e um remix que deu um belo up na música original, compensou a falta do material da Taylor no principal serviço que colabora com as pontuações de streaming na Billboard (o Spotify) – e um dos motivos pela liderança da música foi o número de visualizações no Youtube – que bateu o recorde das 24 horas, com mais de 19 milhões de views. Nos charts digitais, a música cresceu muito, especialmente após o lançamento no Billboard Music Awards, pulando da 26ª posição para a liderança, e com vendas de 385 mil downloads, ajudou a tirar a diferença de “See You Again”. Nas rádios, as subidas foram fortes (já tinham algumas execuções anteriores, mas com a versão solo), e apesar de ainda não ter chegado no top 10 no Mediabase, a faixa parecer ter uma certa longevidade nas rádios. Não vejo uma vida longa nos streams, contudo – mas acho que a música pode resistir pelo menos mais uma semana na primeira posição, e depois provavelmente SYA pode voltar por uma semana até outra música chegar à primeira posição (e não é a faixa que eu desconfiava nesses últimos dias).

Observação bacana: é o 4º #1 de Taylor Swift, e o primeiro de Kendrick Lamar, o que é merecidíssimo. Apesar de não ser de uma música própria do rapper, é importante para o grande público prestar atenção no grande trabalho do cara. VÃO OUVIR TO PIMP A BUTTERFLY!

 

Jason DeruloA subida meteórica de “Bad Blood” fez com que muitas canções sólidas no top 10 caíssem, como “Want To Want Me”, do Jason Derulo, que desceu uma posição – e agora está em sétimo no top 10. Mesmo assim, a faixa tem potencial de ser #1 na Billboard (poderia ser o segundo do cantor), nem que seja por uma semana. A faixa está muito bem nas rádios, com maior subida no top 10 do Mediabase, e no geral, apenas BB e a nova do Maroon 5 (“This Summer’s Gonna Hurt) estão subindo mais. A faixa está em sexto lugar no iTunes (se mantendo há semanas no top 10 com entradas e saídas de contenders do The Voice, awards e virais), e só está um pouco mais fraco nos charts de stream, onde está no top 20. Mas acredito que, com a força das rádios e o lançamento do álbum na próxima semana podem ajudar a música a crescer mais. Acho que dá.

 

 

David GuettaHora de falar de “Hey Mama” mais uma faixa top 10 de David Guetta. O DJ francês chamou Nicki Minaj, Afrojack e a cantora e compositora Bebe Rexha para seu novo hit, uma música que mistura bem o eletrônico com uma pegada meio urban, com uns ecos tribais. A trajetória da faixa vem sendo de crescimento sólido desde o início. Apesar de uma leve queda nos charts digitais nesta semana, a faixa está em sétimo lugar no Digital Songs; está no top dez das rádios e pertinho do top 10 dos charts de streaming. Ou seja, a música ainda está longe de seu peak – principalmente porque o verão já está na porta, e a faixa, com o refrão chiclete e a batida dançante que convida a #partyallthetime tem a cara dessa estação – e a música tem cara de que vai fazer moradia no top 10. Um #1? Não acredito muito, mas “Hey Mama” tem pinta de canção estável no chart.

(e por falar em refrão, a dona do refrão vibrante é Bebe Rexha, cantora/compositora que até então, não tinha sido creditada na música – apesar de ser uma das compositoras de “Hey Mama”. A moça declarou em entrevistas que a gravadora preferiu tirá-la do featuring porque aparentemente não seria “bom” pra canção ter tantas participações especiais, mas aparentemente os apelos posteriores da Bebe fizeram efeito e o nome dela já está em tudo que envolve a canção. Final feliz pra todo mundo – mas que história sem sentido)

E você, o que achou do novo #1 da Billboard Hot 100 hoje?

Não vai mudar o mundo, mas é bem legal – “Everything is 4”, Jason Derulo

Cover CD Jason Derulo Everything is 4A minha impressão sobre a carreira de Jason Derulo sempre foi de alguns sucessos, mas de uma certa personalidade que mais parecia um lado B de outros artistas. Via o rapaz como um act substituto do Chris Brown, e ficava me imaginando porque mais um Chris Brown no mercado. No entanto, por conta das confusões deste último, e a estabilidade do Derulo durante sua trajetória – especialmente na Inglaterra, onde o cara tem vários #1 e excelentes peaks com outros singles, Jason se tornou um nome importante no cenário; especialmente após o sucesso viral de “Talk Dirty”, que foi hitar por último nos EUA e colocou o rapaz entre os hitmakers da atualidade.

Derulo conseguiu cumprir a lacuna que o Chris Brown deixou – daquele act R&B/urban/dançarino com forte apelo crossover e uma imagem mais agradável. No entanto, ao contrário de Brown, que de certa forma tem um apelo enorme entre o público urban, Jason Derulo tem apelo forte nas rádios pop, especialmente porque durante a carreira, os singles deles sempre tiveram essa identidade mais pop que o faz diferenciado dentro da cena masculina de black music. Ele não precisa “se entregar ao pop” – ele tem o pop em seu DNA.

Por isso que após o sucesso estrondoso dos singles “Talk Dirty” (que permitiu um relançamento do álbum “Tattoos” com faixas na pegada de TD) e “Wiggle” (do relançamento chamado “Talk Dirty”), o que se pensava era: o que Jason Derulo vai trazer? Um novo “Talk Dirty” ou algo diferente? Bem, com um hitaço como “Want To Want Me”, bem diferente dos singles mais urban do último álbum, o “Everything is 4”, seu novo álbum, está com boas expectativas. Previsto para lançamento dia dois de junho, vazou nesta terça-feira.

Será que Jason tem mais músicas com potencial neste CD? Confira no faixa-a-faixa!

Continuar lendo

Design de um Top 10 [18] Enquanto “See You Again” domina os charts…

Banner-Design-de-um-Top-10
A dominação de “See You Again” nos charts da Billboard continua. A pungente faixa em tributo a Paul Walker chegou à quarta semana seguida em primeiro lugar, ainda no auge das forças, liderando o chart digital, os charts de streaming e subindo na audiência das rádios – onde ainda não lidera, já que quem ocupa essa primazia é “Earned It”. Aparentemente, nem a estreia de “Pretty Girls” pode tirar a música de Wiz Khalifa e Charlie Puth do topo, e creio que pelo menos mais uma semana em primeiro está garantida.
No entanto, algumas curiosas (e já previstas) movimentações no chart podem surpreender o mais otimista dos fãs – e é sobre essa variação que o “Design de um Top 10” vai falar.
Top 1o Billboard Hot 100 (16/05/2015)
#1 See You Again – Wiz Khalifa feat. Charlie Puth
#2 Trap Queen – Fetty Wap
#3 Uptown Funk – Mark Ronson feat. Bruno Mars
#4 Earned It – The Weeknd
#5 Shut Up and Dance – Walk the Moon
#6 Sugar – Maroon 5
#7 Love Me Like You Do – Ellie Goulding
#8 Want to Want Me – Jason Derulo
#9 Nasty Freestyle – T-Wayne
#10 Thinking Out Loud – Ed Sheeran
Fetty Wap“Trap Queen”, do rapper novato Fetty Wap, já está aí, rondando a primeira posição. Em segundo lugar no Hot 100, também se encontra em segundo nos charts de streaming, e vem subindo nas rádios com consistência, sem a audiência gigante de “See You Again”, mas a promessa é de um belo acumulado no final do ano. A faixa está atualmente em sexto no iTunes, considerando as movimentações de The Voice e estreia da Britney Spears, é um grande feito para quem sequer tem uma performance num programa televisivo de grande impacto. Ou seja, a música já passou da fase de “apenas mais um viral” para hit certo de verão.

E se não fosse o buzz Paul Walker, talvez “Trap Queen” seria a música a destronar a “Uptown Funk season”? Mistérios…

 

 

Outra música mostrando a que veio é “Shut Up And Dance”, do Walk the Moon. O single subiu duas posições,Walk the Moon chegando ao quinto lugar e tem subidas fortíssimas no mediabase – só não supera, evidentemente, “See You Again”. Já com jeito de hit do verão, a música está em segundo no iTunes e com bom desempenho nos streams (a última fronteira, já que está crescendo muito nas rádios e no digital). Outra música que se manteve no top 10 do iTunes mesmo com as estreias e as “invasões” do The Voice, já podemos colocar como próximo hit do verão.

E acredito que, por causa do caráter mais “crossover” da música, acredito que “Shut Up and Dance” pode subir ao infinito e além em direção ao #1 na Billboard. (e se tiver uma apresentação num programa de impacto, melhor ainda).

 

 

Jason DeruloEntra ano e sai ano, Jason Derulo sempre hita alguma coisa dos seus álbuns (do debut, self-titled, ele botou três músicas no top 10: “Whatcha Say”, #1; “In My Head”, #5; “Ridin’ Solo, #9; do “Future History” nenhuma chegou ao top 10 – só “Don’t Wanna Go Home” peakou em #14; e do “Tattoos”/”Talk Dirty” , “Talk Dirty”, #3; e “Wiggle”, #5). Agora é o lead single do novo álbum, a grower as fuck “Want To Want Me”, que é a cara do verão, e com um jeito de R&B post-disco oitentista bem bacana, com direito a falsetes no refrão e muita sensualidade. Eu achava o refrão meio enjoado por causa desses falsetes, mas após duas ou três ouvidas, a música fica na cabeça, o que é impressionante.

Após subir duas posições, a faixa está na oitava posição no top 10, e desse ponto, a tendência é só subir. As músicas mais antigas até o momento estão em decadência (“Sugar”, “Love me Like You Do”, “Uptown Funk” e mesmo liderando nas rádios, acho que “Earned It” já chegou ao peak), e com o crescimento estável nas rádios – além do bom desempenho no chart digital (#3 no iTunes), acho que Derulo tem mais um hit do verão em mãos – e do tipo “Talk Dirty” de hit.

(P.S.¹: a minha visão do Jason Derulo hoje é um pouco diferente de quando ele começou. Lá atrás, em 2009, eu o via como uma versão B do Chris Brown, como um act R&B/urban que também dançava. Hoje, ele continua sendo esse act R&B/urban que sabe dançar, mas após os problemas pessoais, tretas e confusões do Chris Brown, é Derulo quem hoje cumpre a função do CB, sendo ainda por cima do tipo comportado – mesmo com o fim do noivado com a Jordin Sparks – e bem cool/crossover, com apelo geral – o que o Brown perdeu pós-agressão à Rihanna e todos os problemas posteriores)

(P.S.²: se você acha que Jason Derulo hita nos EUA, é porque não viu os peaks dele na Inglaterra. O cara domina por lá!)

 

Se “Trap Queen” já pode ser chamado de hit do verão, a cota viral do top 10 pode ser creditada a “Nasty T-WayneFreestyle”, do (outro) rapper novato T-Wayne. A música, que subiu oito posições na Billboard, chegando à nona posição no Hot 100, teve subida meteórica nos charts por causa de vídeos virais – que influenciaram nos streams e nas vendas digitais (#3 nos charts de streaming e#4 nos charts digitais). Como as rádios tiveram uma audiência pífia da música, elas não entraram na equação que levou o single ao top 10.

Mas “Nasty Freestyle” pode ser uma nova TQ – mais um rap no top 10, provável hit do verão – ou será mais um viral que vai e volta todos os anos? Olha, ouvindo a música, eu acho que será um viral mesmo. A música é basicamente um freestyle – T-Wayne versando por cima de uma batida pesada, sem refrão, por dois minutos e meio. Acho que sobrevive pelos virais, mas não sei se terá vida longa como “Trap Queen” (que é estruturada tradicionalmente como uma canção, tem refrão – e NF nem refrão tem).

 

 

E você? O que achou do top 10 da Billboard esta semana?

Design de um top 10 [5] Hits do ano em #1 e #2

Se tem um top 2 que todo mundo já sabia que ia acontecer (incluindo este humilde blog, que estava antecipando o sucesso das músicas), é “Fancy” em #1 na Billboard, com “Problem” em #2. As duas músicas tem participação da rapper australiana Iggy Azalea, seguramente um dos nomes (se não o nome) do verão americano. Além disso, o segundo lugar de “Problem” no Hot 100 coloca Ariana Grande, que já tinha obtido um top 10 com “The Way”, seu single de estreia, como um dos nomes mais quentes da esfera pop em 2014.

Mas nem só de meninas extravagantes e problemáticas vive este “Design de um Top 10”.

Top 10 Billboard Hot 100 (04/06/2014)

#1 Iggy Azalea – Fancy (feat. Charli XCX)
#2 Ariana Grande – Problem (feat. Iggy Azalea)
#3 John Legend – All Of Me
#4 Pharrell Williams – Happy
#5 DJ Snake & Lil Jon – Turn Down For What
#6 Katy Perry – Dark Horse (feat. Juicy J)
#7 Jason Derulo – Talk Dirty (feat. 2 Chainz)
#8 Nico & Vinz – Am I Wrong
#9 Justin Timberlake – Not a Bad Thing
#10 Jason Derulo – Wiggle (feat. Snoop Dogg)

Iggy AzaleaPrimeiro vamos falar dos recordes: “Fancy” é um marco pra carreira de Iggy Azalea, já que ela se iguala aos Beatles como os dois únicos artistas que alcançaram a primeira e a segunda posição com os dois primeiros hits no Hot 100 (os quatro garotos de Liverpool fizeram isso com “I Want To Hold Your Hand” e “She Loves You”). Iggy também é a quarta rapper a chegar à primeira posição no Hot 100, seguindo os passos de Lauryn Hill com “Doo Wop (That Thing)”, Lil Kim e o girl power em “Lady Marmalade” e Shawnna com Ludacris em “Stand Up”). Além disso, é o primeiro #1 da australiana, que chegou de mansinho aos Estados Unidos, com clipes bem elaborados e músicas pop/hip-hop extremamente comerciais, chegando à viral “Fancy”, com o clipe mais cool do ano, inspirado em “As Patricinhas de Beverly Hills”. Podemos questionar a profundidade de seu som, ou o quanto o hip-hop dela tem jeitão de hip-hop de butique, pra gente que não entende nada do gênero, mas Iggy trabalhou quieta e mansamente pra chegar a esse nível, e merece o retorno.

(sem contar que “Fancy” é o primeiro #1 da Charli XCX! Parabéns!)

Se Iggy Azalea neste momento é a rainha dos charts, podemos dizer que Ariana Grande é a princesinha, né? ¯\_(ツ)_/¯ Piadas de Ariana Grandequinta categoria à parte, “Problem” surgiu como um hit pronto, e está fazendo por onde. O chart-run da música é impecável (só para ter uma ideia, o debut do single foi #3, e nunca saiu do top 5 desde a estreia. Ariana já divulgou a faixa em awards e programas de TV, e toda essa performance incrível do single aconteceu sem um clipe, esperadíssimo por fãs e admiradores da garota vinda da Nickelodeon, e sem outras formas de buzz sobre o álbum, que ainda não tem nome nem tracklist. Imagina na copa?

Jason DeruloOutro single que eu andei vendendo o sucesso – e que alcançou a décima posição no Hot 100, pulando dez posições, é o urban “Wiggle“, do principal nome do R&B em 2014, Jason Derulo. A música, que tem featuring de Snoop Dogg, é uma das que mais cresce nas rádios e está no top 10 do chart digital. E para quem não sabe, Derulo não é um estranho no ninho do top 10 – esta é a quinta vez que o americano aparece entre os dez mais do Hot 100, após a sequência de hits do primeiro álbum (“Whatcha Say”, que foi #1; “In My Head” – em quinto; e “Ridin’ Solo”, que peakou em 9º) e o smash “Talk Dirty”, que ainda resiste nas primeiras posições (na sétima posição). Este realmente é o ano do Derulo, que voltou com um ótimo CD – eu recomendo!

Agora, a grande surpresa do top 10 é a oitava posição da dupla norueguesa Nico & Vinz (antes denominados Envy) com a música Nico & VinzAm I Wrong“, que alcançou a oitava posição. A faixa, um pop polido com percussão marcada e uma guitarra charmosa, meio vintage, e uma letra cheia de filosofia, não é exatamente o que os americanos andam ouvindo ultimamente, mas eles às vezes acertam no gol de uma forma bem inteligente. O chart digital mostra o sucesso da faixa, que está em quarto no iTunes, e as rádios abraçaram a música, que já está na fila das vinte músicas mais tocadas nas rádios – e apesar de não ser urbanzão batidão quebração, tem algo solar que vale a pena dar uma ouvida.

Fontes: Billboard

Mais um viral à vista? “Wiggle”, do Jason Derulo feat. Snoop Dogg

Jason Derulo Wiggle VideoJason Derulo está num ano daqueles. Estourado na Inglaterra com o “Tattoos”, capitaneado pelo smash hit “Talk Dirty”, um dos responsáveis pelo retorno da tendência urban do momento, a gravadora nos Estados Unidos decidiu relançar o álbum com outro nome (“Talk Dirty”) e com mais músicas no estilo da música que colocou Derulo de volta na boca do povo. O novo single do relançamento americano é “Wiggle”, faixa urbanzão/R&B com batida trap e featuring de Snoop Dogg (e seu verso eloquente, pra dizer o mínimo) com um break quebração e cheirinho de hit do verão, que pode vingar o não-#1 de TD.

Acompanhando a extensa divulgação do Jason, foi lançado nesta semana o clipe da música, dirigido pelo Collin Tilley, especialista em vídeos de astros do R&B, e com cara de verão. Situado num cenário bem tropical, com piscina, sol, mulheres bonitas e pegação, o clipe mostra – aparentemente – Jason acordando ao lado de belas mulheres numa cama, após uma provável festança non-stop, com direito a uma estátua feminina com uma “big fat butt”, Snoop Dogg de olho no derrière das moças com um binóculo e o cameo inexplicável do Ne-Yo.

O single já é hit – está no top 10 do iTunes e está crescendo nas rádios (nada monstruoso como “Fancy” da Iggy Azalea e “Problem” da Ariana Grande), o que pode colocá-lo como um dos candidatos a um #1 neste verão. O vídeo é mais padrãozão que “Talk Dirty”, que tinha uma paleta de cores fortes, coreografias com cenários menos poluídos e referências menos óbvias à letra da música – o que pode ser uma dificuldade pra viralizar. Mas como o próprio Derulo já tinha lançado um pré-vídeo de “Wiggle” com pessoas aleatórias pirando no break da música (e ele pode repetir o que fez com TD, botando famosos pra dublar a música), o single pode crescer muito mais no coração das pessoas.

Mas de uma coisa é certa: isso é um hit pronto.