Shawn Mendes e um amadurecimento esperado

Eu já tinha comentado aqui no blog sobre o Shawn Mendes e como eu sempre simpatizei com o som do jovem canadense – um pop orgânico, com referências de blues e soul, e com apelo bem maior do que as teens que já seguiam o Shawn desde os tempos do Vine. O que eu achava ser necessário para o rapaz era dar um polimento na letra, que era simples, mas ainda com uma vibe juvenil; mas nada como o tempo para trazer esse amadurecimento artístico para ele.

The cover consists of a floral design in the lower left corner with the title spelled out vertically in the centrePois é, esse amadurecimento chegou – e chegou de forma assustadora, com os dois singles lançados na quinta e sexta-feira passada; “In My Blood” e “Lost in Japan”, dois lados até certo pronto extremos de sonoridade que o canadense vai apresentar no terceiro CD. Assustador porque eu ainda não esperava essa elegância e tanta sutileza com 19 anos; e ainda por cima com dois sons que eu não sei como vão se encaixar no novo álbum.

“In My Blood”, a primeira música da nova era que foi lançada, é um pop-rock com cara de stadium anthem, com o DNA do Kings of Leon por toda a canção, e uma excelente letra (a melhora como letrista é absurda), super relatable – sobre ansiedades e dúvidas – e traz um peso ao repertório, que sempre foi mais acústico e intimista (mesmo com uma faixa super “pra cima” como “There’s Nothing Holdin’ Me Back” destoando do todo). Só essa música já tinha me deixado mega animada para o novo CD; mas aí quando ele lançou “Lost in Japan” (que estou já cantando o refrão a plenos pulmões) aí eu fui literalmente comprada pelo som. Que The cover consists of a floral design in the lower left corner with the title spelled out vertically in the centremúsica linda! É um pop/soul retrô dançante que lembra um old Justin Timberlake-meets-John Mayer-and-John Legend e funciona muito bem: o piano conduzindo a música, a linha de baixo marcante, a guitarrinha groovada, os instrumentos de sopro na viradinha do refrão bem discretinho – é uma produção extremamente elegante e equilibrada, um upbeat moderno e adulto, prontinha para consumo crossover. Agora é descobrir como essa música vai se encaixar no resto do álbum hahah

(aliás, se esse lançamento duplo foi inspirado na estratégia do Ed Sheeran, as faixas selecionadas do Shawn Mendes dão uma surra no que o ruivo apresentou pra Divide era.)

De fato, estou encantada pelo novo som do Shawn Mendes – mais maduro, encorpado, preocupado com os arranjos e as letras e uma evolução realmente assustadora em relação aos dois primeiros CDs. A minha empolgação para o novo álbum aumentou horrores e creio que teremos surpresas muito boas do canadense.

E vocês, o que acharam dos dois lançamentos? Se ainda não ouviu, confira aqui:

 

Anúncios