Esquentando os tambores para o Grammy 2016 [8]

O maior vencedor no geral do Grammy é o compositor Sir Georg Solti, um maestro que comandou a Orquestra Sinfônica de Chicago por 22 anos. O número de gramofones que o senhorzinho (falecido em 1997) levou foram 31. Nenhum artista, nem clássico nem popular, chegou a tantos.

Entre as mulheres, a maior vencedora no geral é Alison Krauss, cantora country e de bluegrass que ganhou 27 Grammy. 17 deles como parte do grupo Union Station. Ela é seguida de perto por Beyoncé, com 20 gramofones, e esse recorde tem chance de ser disputado, porque Krauss ainda está em plena atividade, e volta e meia é indicada (a última aparição da moça foi este ano, indicada a Best American Roots Performance).

Outros recordes bacanas são: o U2 é o grupo com mais prêmios, 22 Grammy; Quincy Jones REI é o produtor mais laudeado com um Grammy (tem 27 em casa, tanto como produtor, arranjador e artista principal); as pessoas mais novas a levarem um Grammy são as Peasall Sisters, creditadas na trilha sonora do filme “E aí, meu irmão, cadê você?”, vencedor do prêmio de Álbum do Ano em 2002 (Leah Peasall tinha sete anos, e suas irmãs Hannah e Sarah tinham respectivamente nove e 13 anos. Com essa idade eu ainda brincava de boneca). LeAnn Rimes, cantora country, é a pessoa mais nova a levar o prêmio de Artista Revelação, com 14 anos.

Já a pessoa mais idosa a ganhar um Grammy é Pinetop Perkins, que levou em 2011 o prêmio de Melhor Álbum de Blues Tradicional aos 97 anos. Será que nossas faves chegarão a esse nível de produtividade? Enquanto a pessoa mais nova a ganhar o Grammy de Álbum do Ano é Taylor Swift, com 20 anos de idade.

Após a introdução de alguns dos recordes do Grammy, é hora de falar de três momentos históricos da premiação – e especificamente de três recordistas.

Continuar lendo

Esquentando os tambores para o Grammy 2016 [7]

O Grammy é a premiação das vitórias acachapantes, das consagrações esperadas, dos prodígios descobertos e dos experientes abraçados. Mas também é o award das surpresas estranhas, das vitórias fora da zona de conforto e das esnobadas históricas.

Quem não ficou de queixo caído com a Beyoncé perdendo o Grammy de Álbum do Ano pro Beck?

Ou não se revoltou pelo Kendrick Lamar ter sido ignorado em todas as categorias, e perdendo no rap field pro Macklemore & Ryan Lewis?

E quando o Grammy premiou como Artista Revelação Esperanza Spalding quando as pessoas achavam que Justin Bieber seria o vencedor? (sério que vocês acreditavam nisso? Eu estava apostando na Florence)

E a maravilhosa Amy Winehouse não ficou com o prêmio de Álbum do Ano, entregue ao Herbie Hancock. Nada contra o Herbie Hancock, mas a impressão que ficou foi que Grammy não quis dar a “cereja do bolo” pra uma “bad girl” e preferiu jogar no seguro.

Pois é, o tema do nosso esquenta de hoje serão os prêmios curiosos, esnobadas e algumas surpresas que sempre animam ou viram tema de treta nos anos seguintes à premiação.

Continuar lendo

Esquentando os tambores para o Grammy 2016 [6]

A música disco não foi apenas um gênero. Foi um movimento cultural, um estilo de vida influenciado pelos grupos marginalizados que se tornaram protagonistas após a revolução social dos anos 60. Mulheres, negros, homossexuais e latinos foram os grandes vetores para o desenvolvimento de um gênero que derivou do funk e do soul dos anos 60 para algo mais sincopado, constante, rápido e usando tanto do baixo (só que com menos groove e um padrão mais repetitivo) quanto da bateria eletrônica, sintetizadores, percussão de inspiração latina e mesmo orquestração.

Para além do crescimento das discotecas, da dominância da disco nas rádios e de artistas que não eram ligados ao gênero – e que pularam no barco de lurex e esferas espelhadas no final da década de 70 – a disco foi uma movimentação de estilo, com as roupas, com a liberdade sexual, com a liberdade na identidade das pessoas, com a autodescoberta e a individualidade características da década de 70 (sem contar com as drogas da moda, apropriadas para a noite que nunca terminava – a exemplo da cocaína e dos Quaaludes). No entanto, nem todo mundo estava curtindo a festa.

A “Disco Demolition Night” em 1979, quando vários LPs de disco foram destruídos no meio de um campo de baseball, incentivados por um disc-jóquei de Chicago, foi o auge da insatisfação que grupos ligados ao rock, deixado à margem na época, tinham contra a disco. Outros jornalistas e analistas musicais acreditaram que um dos motivos pelos quais a disco foi rejeitada por um grupo específico foi por haver um componente de racismo, sexismo e homofobia, já que os principais nomes do gênero e as manifestações culturais ligadas à disco eram as mulheres, os negros e latinos, e os homossexuais. Já outros teóricos afirmam que o estilo estava realmente saturado e o público queria outros gêneros de volta.

A questão é que o boicote acabou funcionando, já que no final daquele ano, os hits da disco passaram a rarear, e os artistas ligados ao gênero decaíram em popularidade.

E foi nesse cenário decadente que o Grammy decidiu criar uma nova categoria para a premiação – a Melhor Gravação de Disco, relativa ao ano de 1979, e premiada em 1980.

Too late to the party, folks.

Continuar lendo

Esquentando os tambores para o Grammy 2016 [5]

Imprensa e público adoram um grande retorno. O famoso “comeback” que traz de volta à cena um artista cambaleante, que superou seja ostracismo, seja vício em drogas ou confusões pessoais, é a trajetória que todos adoramos acompanhar e torcer – e se o artista em questão conseguir prêmios e reconhecimento do Grammy, melhor ainda.

A indústria da música já viu vários retornos à música extremamente bem sucedidos. Já comentei no post anterior sobre o comeback da própria Natalie Cole; e um dos retornos mais conhecidos foi o de Mariah Carey com o “The Emancipation of Mimi” – que a tirou do ostracismo após uma década de sucesso e a apresentou a uma nova geração de ouvintes.

Mas o blog vai destacar hoje dois retornos especiais para o mundo da música – que tiveram consequências bem distintas…

Continuar lendo

Esquentando os tambores para o Grammy 2016 [4]

A primeira vez que o prêmio de Melhor Performance Feminina de R&B foi dado tinha sido na premiação de 1968, quando o Grammy ficou nas mãos de Aretha Franklin com a icônica “Respect”. Atualmente a categoria está fundida com a Performance Masculina e a Por Duo/Grupo na categoria “Melhor Performance de R&B”, mas antigamente, quem dominava esse award era justamente a Rainha do Soul, que levou onze vezes o prêmio, além de ter 23 indicações.

No entanto, na décima-oitava edição do Grammy, em 1976, Ree não estava entre as indicadas, e veria uma artista diferente levar o prêmio – uma artista jovem cuja voz lembrava justamente a sua.

Continuar lendo

Esquentando os tambores para o Grammy 2016 [3]

O Grammy Awards de 1990, válido para os acts que se destacaram no ano anterior, teve como indicados a Artista Revelação a dupla folk Indigo Girls, Neneh Cherry, o grupo Soul II Soul, o rapper Tone Lōc e a dupla de dance-pop Milli Vanilli.

Dentre os indicados, o mais bem sucedido eram os rapazes do Milli Vanilli. Rob Pilatus e Fab Morvan eram um dos acts mais famosos do finalzinho da década, com o som do momento e uma imagem pop para a época. O álbum da dupla, “Girl You Know It’s True” conseguiu cinco singles top 10 nos EUA e, evidentemente, os rapazes eram os óbvios favoritos para levar o prêmio.

Confira então o vencedor daquele ano:

O problema é que, se você for no site oficial do Grammy, a informação sobre o prêmio de Artista Revelação não existe.
O motivo? É que o gramofone foi retirado do Milli Vanilli.

Continuar lendo

Esquentando os tambores para o Grammy 2016 [2]

As categorias de rap surgiram no Grammy há pouco tempo, em relação a outros fields. Por exemplo, a categoria de Melhor Álbum de Rap foi criada em 1995, tendo como primeiro vencedor o grupo Naughty by Nature com o álbum “Poverty’s Paradise”. Já a categoria de Melhor Canção de Rap foi incluída no Grammy em 2004, e o primeiro artista a levar o Gramofone foi Eminem, com o clássico “Lose Yourself”.

Mas a primeira aparição do rap foi em 1989, na 31ª edição do award, quando o estilo tinha implodido nos EUA. Public Enemy, N.W.A, LL Cool J já estavam na estrada fazendo sucesso, e por causa da grande quantidade de artistas e músicas lançadas, era de se esperar que a Academia prestigiasse o gênero com uma visibilidade na maior premiação da música.

Mas não da forma como você está esperando.

Continuar lendo

Esquentando os tambores para o Grammy 2016 [1]

A época mais tensa do ano está chegando, e não é exatamente o Grammy… E sim a revelação da lista de indicados, que sempre gera tretas, dúvidas, revolta geral, além da emoção de ter o seu fave indicado naquela categoria que você esperava – ou que ele conseguiu ser indicado em todos os prêmios os quais a gravadora o submeteu.

Sete de dezembro é o dia em que serão revelados os nomes dos indicados, e até lá, o blog realiza um esquenta com algumas curiosidades sobre grandes vencedores, mudanças da Academia e uma ou outra polêmica. Ano passado, o Duas Tintas de Música tinha feito um esquenta mais “perguntas-e-respostas”, e quem tiver curiosidade, pode conferir nos links abaixo o que foi publicado no período.

Especial 1

Especial 2

Especial 3

Especial 4

Especial 5

Porque este ano, a ideia será um pouco diferente – e você vai entender um pouco quando conhecer o homem, o mito, a lenda…

Continuar lendo

Indicados ao Grammy + Retrospectiva Grammy Nominations Concert [6]

grammy-nominations

E começaram a sair os indicados ao Grammy 2015, com surpresas incríveis entre os indicados (além de alguns acertos por parte da pessoa que vos escreve). Por isso, vou adiantando logo alguns fields + terminar a retrospectiva do “Grammy Nominations Concert”, que este ano é o especial de Natal “A Very GRAMMY Christmas“.

ÁLBUM DO ANO

“Morning Phase”, Beck
“BEYONCÉ”, Beyoncé
“In The Lonely Hour”, Sam Smith
“G I R L”, Pharrel Williams
“x”, Ed Sheeran

GRAVAÇÃO DO ANO

Iggy Azalea featuring Charli XCX, “Fancy”
Sia, “Chandelier”
Sam Smith, “Stay With Me”
Taylor Swift, “Shake It Off”
Meghan Trainor, “All About That Bass”

MELHOR ÁLBUM DE URBAN CONTEMPORÂNEO
Jhené Aiko, “Sail Out”
Beyoncé, “BEYONCÉ”
Chris Brown, “X”
Mali Music, “Mali Is”
Pharrell Williams, “G I R L”

MELHOR ÁLBUM POP
Coldplay, “Ghost Stories”
Miley Cyrus, “Bangerz”
Ariana Grande, “My Everything”
Katy Perry, “PRISM”
Ed Sheeran, “X”
Sam Smith, “In the Lonely Hour”

MELHOR ÁLBUM COUNTRY
Dierks Bentley, “Riser”
Eric Church, “The Outsiders”
Brandy Clark, “12 Stories”
Miranda Lambert, “Platinum”
Lee Ann Womack, “The Way I’m Livin'”

ARTISTA REVELAÇÃO

Bastille
Iggy Azalea
Brandy Clark
Haim
Sam Smith

CANÇÃO DO ANO

“Chandelier,” Sia
“All About That Bass,” Meghan Trainor
“Shake It Off,” Taylor Swift
“Stay With Me (Darkchild Version),” Sam Smith
“Take Me to Church,” Hozier

MELHOR ÁLBUM DE RAP

The New Classic, Iggy Azalea
Because the Internet, Childish Gambino
Nobody’s Smiling, Common
The Marshall Mathers LP2, Eminem
Oxymoron, ScHoolboy Q
Blacc Hollywood, Wiz Khalifa

MELHOR PERFORMANCE POP POR DUO OU GRUPO

“Fancy,” Iggy Azalea ft. Charli XCX
“A Sky Full of Stars,” Coldplay
“Say Something,” A Great Big World ft. Christina Aguilera
“Bang Bang,” Ariana Grande, Jessie J & Nicki Minaj
“Dark Horse,” Katy Perry ft. Juicy J

MELHOR PERFORMANCE DE RAP

“305,” Childish Gambino
“0 to 100/The Catch Up,” Drake
“Rap God,” Eminem
“i,” Kendrick Lamar
“All I Need Is You,” Lecrae

MELHOR ÁLBUM DE ROCK

Ryan Adams, Ryan Adams
Morning Phase, Beck
Turn Blue, The Black Keys
Hypnotic Eye, Tom Petty & the Heartbreakers
Songs of Innocence, U2

MELHOR CANÇÃO DE ROCK

“Ain’t It Fun,” Paramore
“Blue Moon,” Beck
“Fever,” The Black Keys
“Gimme Something Good,” Ryan Adams
“Lazaretto,” Jack White

MELHOR CANÇÃO COUNTRY

“American Kids,” Kenny Chesney
“Automatic,” Miranda Lambert
“Give Me Back My Hometown,” Eric Church
“I’m Not Gonna Miss You,” Glen Campbell
“Meanwhile Back at Mama’s,” Tim McGraw ft. Faith Hill

MELHOR PERFORMANCE SOLO COUNTRY

“Give Me Me Back My Hometown,” Eric Church
“Invisible,” Hunter Hayes
“Automatic,” Miranda Lambert
“Something In the Water,” Carrie Underwood
“Cop Car,” Keith Urban

MELHOR ÁLBUM DE TRILHA SONORA

American Hustle
Guardians of the Galaxy
Frozen
Get On Up: The James Brown Story
The Wolf of Wall Street

MELHOR VÍDEO

“We Exist,” Arcade Fire
“Turn Down for What,” DJ Snake & Lil Jon
“Chandelier,” Sia
“Happy,” Pharrell Williams
“The Golden Age,” Woodkid ft. Max Richter

MELHOR PERFORMANCE POP SOLO

“All of Me,” John Legend
“Chandelier,” Sia
“Stay With Me,” Sam Smith
“Shake It Off,” Taylor Swift
“Happy,” Pharrell Williams

MELHOR ÁLBUM POP TRADICIONAL

Cheek to Cheek, Lady Gaga & Tony Bennett
Sending You a Little Christmas, Johnny Mathis
Nostalgia, Annie Lennox
Partners, Barbra Streisand
Night Songs, Barry Manilow

MELHOR PERFORMANCE DE ROCK

“Gimme Something Good,” Ryan Adams
“Do I Wanna Know?”, Arctic Monkeys
“Blue Moon,” Beck
“Fever,” The Black Keys
“Lazaretto,” Jack White

e no twitter do Grammy os indicados vão saindo aos poucos. Como já dito, a cereja do bolo – Álbum do Ano – só sai no show desta noite. Por isso, para animar os dignos leitores com o último vídeo do esquente do Grammy Nominations, hora de mostrar uma apresentação do show do ano passado.

 Lorde, “Royals” (2013)

A neozelandesa que tomou o mundo de assalto com o hino anti-consumismo “Royals” e o guia adolescente “Pure Heroine” passou a ficar mais cotada após as indicações ao Grammy. A jovem de 16 anos ainda era um enigma para muitos, que conheciam apenas a sua música e as declarações chocantes – a menina era uma metralhadora giratória! Na apresentação de “Royals” no Grammy Nominations Concert de 2013, Lorde mostrou uma presença de palco diferente das outras estrelas pop, uma timidez à toda prova na saída do palco e muita atitude numa apresentação marcante do seu grande sucesso.

Curiosidade: Lorde conseguiu quatro indicações no último Grammy (Gravação e Canção do Ano; Melhor Performance Pop Solo e Melhor Álbum Pop), levando Performance Pop e o prestigiado Canção do Ano. Afinal de contas, o prêmio, dado aos compositores, consagrou uma adolescente como uma das grandes vencedoras do prêmio, algo que muitos críticos estavam divididos em relação a uma provável vitória.

Logo logo volto com a lista completa de indicados – e o principal, as análises gerais sobre os indicados aos prêmios nos field pop e no Big Four. Até já!