Mixed feelings: Ariana Grande, “No Tears Left to Cry”

File:Ariana Grande No Tears Left to Cry.pngAriana Grande já pode ser considerada um dos principais nomes do mundo pop atual. Desde o estouro com a throwback 90’s “The Way”, que surpreendeu o mundo liderando o iTunes (e mostrando o poder da fiel fã-base Arianators); com excelentes álbuns que só fazem melhorar lançamento após lançamento; uma voz privilegiada que rendeu comparações à Mariah Carey e uma imagem e som bem característicos, desde o começo ela sempre esteve um passo a mais que as peers.

Nem mesmo o Donutgate (quando Ariana cuspiu num donut num restaurante e disse que odiava os EUA, tudo filmado pelas câmeras de uma loja de doces) afetou a imagem da jovem estrela. Pelo contrário, ela conseguiu inverter o jogo com outro lançamento celebrado, o sóbrio e envolvente “Dangerous Woman”, e o auge de sua relação artística com o Midas Max Martin – talvez o último grande trabalho do produtor sueco no pop, antes que chegassem “Witness” e “Reputation” na vida dele.

Só que, apesar de tanta exposição (e quatro indicações ao Grammy), o nome “Ariana Grande” só foi se tornar conhecido mesmo (para até a minha mãe saber quem ela é) no momento mais trágico de sua carreira – o ataque terrorista no final do seu show na cidade britânica de Manchester, ano passado. O atentado chocou o mundo – além da própria característica do ataque, a maior parte das vítimas eram crianças e adolescentes voltando de um show de música pop (o último lugar que você poderia pensar na ação de um homem bomba). 23 pessoas morreram (incluindo o terrorista) e 512 ficaram feridos. Algumas semanas depois, Ariana organizou um show especial (e emocionante, deixando até esta escriba, sempre tão fria, com os olhos marejados) em Manchester, “One Love Manchester”, um show beneficente cujo dinheiro arrecadado foi para ajudar as vítimas e suas famílias.

Todo o mundo finalmente pode conhecer Ariana Grande; e seus próximos passos, pessoais e artísticos, seriam vistos com calma pelo grande público. E uma certa antecipação.

E com grande antecipação que chegou o primeiro single do quarto álbum da jovem diva, a pop/R&B/dance com espírito anos 90, “No Tears Left to Cry“.

Inicialmente, pensando que as pessoas tinham chorado ouvindo a música, e alguns disseram ter referências ao atentado em Manchester, eu imaginava outra coisa – uma balada R&B, ou uma música pop sofrida, algo do gênero – não um pop/R&B com vibe dance anos 90, atualizado para 2018. Eu até gosto da melodia, simpatizo com a pegada quase disco do refrão, mas a execução poderia ser bem melhor. Fiquei imaginando Clivillés e Cole (do C+C Music Factory) com um material desses em mãos, o banger que seria (e curiosamente, nesta música, apesar da voz não parecer, me veio à mente como Mariah Carey trabalharia com a faixa).

No entanto, em comparação com os outros lead singles da Ariana, o resultado final é confuso e decepcionante (mais um na lista de decepções de Max Martin no último ano). A letra até trabalha com a ideia de “não vou chorar, mas vou celebrar a vida”, que talvez seja a referência ao que houve ano passado – mas eu tive que ouvir a música acompanhando no Genius umas cinco ou seis vezes pra entender. Não apenas porque a letra realmente é fraca (e a quebra no refrão é muito ruim), mas porque eu não entendi o que ela falava a música toda.

Eu confesso que meu listening é confuso, mas Ariana Grande sempre teve problemas com a enunciação das palavras nas músicas – uma crítica antiga que achei que teria se dissipado no terceiro álbum, em que a enunciação das palavras é bem mais compreensível. Em “No Tears Left to Cry”, depois de três ouvidas, eu só conseguia entender “I’m picking it up” e “no tears left to cry”. Parece alguém que não sabe a música e fica cantando baboseiras por cima.

Só depois de acompanhar no Genius e ouvir mais vezes fui entender alguma coisa a mais da música (aí depois você se questiona por que a Ariana não ganha Grammy…)

Além desses problemas, sinceramente? Eu fiquei bem broxada com o resultado final. A canção é grower? É; e evidentemente, com os fãs fiéis e novos ouvintes que chegaram depois para a festa, o lançamento será com excelentes números, mas é uma música difícil de pegar de primeira e no fim do dia, uns bons passos pra trás em relação ao que a Ariana já lançou antes – sério, nem uma performance vocal marcante a música tem.

Já o vídeo, de longe um dos melhores do ano. É lindíssimo visualmente, apesar da expressão completamente desprovida de vida com o qual a Ariana faz a dublagem. Sério, Dave Meyers nunca decepciona.

E vocês, o que acharam da nova música da Ariana Grande? Podem comentar!

Anúncios

Nicki Minaj is the boss… e ela sabe disso

O rap é um gênero que se popularizou em alta velocidade, e aproveitou as mudanças no consumo de música para se consolidar como o estilo mais ouvido atualmente. No entanto, ao contrário de outros gêneros, como o pop, predominantemente feminino, o rap é um verdadeiro sausage fest – os rappers masculinos há anos dominam a cena e aparentemente nunca tem espaço para as femecees. No passado (ali no final dos anos 90/início dos 2000), tivemos um grande momento feminino no rap, com vários nomes convivendo juntos e fazendo sons distintos, com grande apelo – Missy Elliot, Lil Kim, Foxy Brown, Eve. No final da década de 2000, no entanto, parecia que a representação feminina tinha desaparecido do rap (ou não chegava ao mainstream) quando chegou o fenômeno Nicki Minaj.

Já fazendo seu nome por meio de mixtapes, em 2009 assinou com a Young Money, gravadora do Lil Wayne, e a carreira dela começou a decolar, com featurings de nome em faixas da Mariah Carey, Christina Aguilera (eu super achava que a Nicki ia estourar com “Woohoo”), Usher, Kanye West (e o já clássico verso de “Monster“); culminando no bem sucedido debut com o “Pink Friday”. No entanto, enquanto era a principal rapper feminina no jogo, Minaj flertava com sonoridades pop, o que – apesar de em nenhum momento diminuírem a moral dela com o público que sempre a apoiou – não tinham o mesmo nível do material rap que ela trazia. Tornavam Nicki igual a qualquer pop star, com farofas medíocres e rimas fracas.

No entanto, entre várias participações em outras faixas e expansão do nome “Nicki Minaj” em várias áreas do entretenimento (jurada do American Idol, atriz), foi realmente no terceiro álbum, “The Pinkprint”, que Nicki começou a organizar essa variedade de sons e necessidades que ela apresentava como artista: a rapper mainstream com forte apelo popular, mas que precisava fazer um som mais rap, menos influenciado pelos ritmos do momento.

Pois é, parece que ela aperfeiçoou com o lançamento dos lead singles do quarto álbum ainda não intitulado – as vibrantes “Barbie Tingz” e “Chun-Li“. E sinceramente? Apesar de ter uma preferida, não sei de qual eu gosto mais 😀

Resultado de imagem para barbie tingz

Aqui não tem farofa, não tem single pop, não tem concessão: as duas músicas são rap, tem uma super vibe old school, super divertidas e mostram uma Nicki bossy do jeito que a gente gosta: rimas inteligentes, flow rápido, a voz da Nicki brincando na faixa e muita autoconfiança, e muitos shades porque ela se envolveu em beefs polêmicos no último ano – e este é o momento para reforçar seu papel dentro do rap game.

“Barbie Tingz” é bem old school com um toque moderno, produção econômica com destaque para os versos rápidos da Nicki, batida pancadão que nunca perde o ritmo e uma letra cheia de tiros. Nicki is the best and those bitches aren’t like her; and they’re still trying to. Curiosamente, ela é mais direta nos motivos pelos quais “as outras” querem ser como Nicki em “Chun-Li”, mas aqui ela entrega uma metralhadora em formato de refrão:

Want the Nicki cheat code? Come on, bitch, nice try
Let’s be real, all you bitches wanna look like me
Wanna be in demand, get booked like me
Wanna run up in the lab and cook like me
But ain’t nan you hoes pussy good like me
Pussy so good his ex wanna still fight me
Face so pretty bitches wish they could slice me

E várias shades na Remy Ma pelo caminho. Nicki Minaj não veio pra brincadeira.

Eu amo “Barbie Tingz”, mas a minha preferida é “Chun-Li”, outra faixa que nasceu com cara de clássico. Em homenagem à popular e poderosa personagem do jogo Resultado de imagem para chun-li nicki minaj“Street Fighter”, consegue também ser um rap de respeito – flow rápido, interpretação imponente, referências e metáforas bem colocadas, e com uma estrutura quebrada por conta de uma interlude que não é shade, é uma baita direta contra todos que querem pintá-la como a “vilã da história” em todos os rap beefs recentes

Oh, I get it, they paintin’ me out to be the bad guy
Well when’s the last time you see a bad guy do the rap game like me?

They need rappers like me, they need rappers like me
So they can get on their fucking keyboards and make me the bad guy, Chun-Li

“Todos” nesse caso podem ser a mídia, que adora colocar mulheres umas contra as outras (especialmente as femecees, porque estranhamente só pode “haver uma” – amore, isso aqui não é o plot do “Highlander”), assim como gravadoras que lucram com esses feuds mais falsos que uma nota de três.

Com um arranjo que em alguns momentos parece mesmo com a trilha sonora de um game de luta, a letra também mostra uma Nicki poderosa e que sabe que é temida pela concorrência – e mais importante: shades aside, ela brada que mesmo todos falando mal dela e a taxando de vilã, precisam da Nicki porque ela é a melhor rapper no jogo.

São duas músicas fortes, vibrantes, que mostram a variedade do flow e da personalidade da Nicki, provando que ela não vem pra brincadeira em 2018. E tampouco o rap, que parece a cada dia sedimentado como o gênero pop da década. Imagina isso no Grammy.

 

(e por favor, nada de alimentar feuds entre rappers femininas! É tão difícil uma rapper conseguir quebrar as barreiras e ser abraçada pelo grande público – não é porque uma está estourada que a outra tem que flopar ou ficar por baixo.)

Shawn Mendes e um amadurecimento esperado

Eu já tinha comentado aqui no blog sobre o Shawn Mendes e como eu sempre simpatizei com o som do jovem canadense – um pop orgânico, com referências de blues e soul, e com apelo bem maior do que as teens que já seguiam o Shawn desde os tempos do Vine. O que eu achava ser necessário para o rapaz era dar um polimento na letra, que era simples, mas ainda com uma vibe juvenil; mas nada como o tempo para trazer esse amadurecimento artístico para ele.

The cover consists of a floral design in the lower left corner with the title spelled out vertically in the centrePois é, esse amadurecimento chegou – e chegou de forma assustadora, com os dois singles lançados na quinta e sexta-feira passada; “In My Blood” e “Lost in Japan”, dois lados até certo pronto extremos de sonoridade que o canadense vai apresentar no terceiro CD. Assustador porque eu ainda não esperava essa elegância e tanta sutileza com 19 anos; e ainda por cima com dois sons que eu não sei como vão se encaixar no novo álbum.

“In My Blood”, a primeira música da nova era que foi lançada, é um pop-rock com cara de stadium anthem, com o DNA do Kings of Leon por toda a canção, e uma excelente letra (a melhora como letrista é absurda), super relatable – sobre ansiedades e dúvidas – e traz um peso ao repertório, que sempre foi mais acústico e intimista (mesmo com uma faixa super “pra cima” como “There’s Nothing Holdin’ Me Back” destoando do todo). Só essa música já tinha me deixado mega animada para o novo CD; mas aí quando ele lançou “Lost in Japan” (que estou já cantando o refrão a plenos pulmões) aí eu fui literalmente comprada pelo som. Que The cover consists of a floral design in the lower left corner with the title spelled out vertically in the centremúsica linda! É um pop/soul retrô dançante que lembra um old Justin Timberlake-meets-John Mayer-and-John Legend e funciona muito bem: o piano conduzindo a música, a linha de baixo marcante, a guitarrinha groovada, os instrumentos de sopro na viradinha do refrão bem discretinho – é uma produção extremamente elegante e equilibrada, um upbeat moderno e adulto, prontinha para consumo crossover. Agora é descobrir como essa música vai se encaixar no resto do álbum hahah

(aliás, se esse lançamento duplo foi inspirado na estratégia do Ed Sheeran, as faixas selecionadas do Shawn Mendes dão uma surra no que o ruivo apresentou pra Divide era.)

De fato, estou encantada pelo novo som do Shawn Mendes – mais maduro, encorpado, preocupado com os arranjos e as letras e uma evolução realmente assustadora em relação aos dois primeiros CDs. A minha empolgação para o novo álbum aumentou horrores e creio que teremos surpresas muito boas do canadense.

E vocês, o que acharam dos dois lançamentos? Se ainda não ouviu, confira aqui:

 

Meghan Trainor – “No Excuses”

A blonde woman standing in front of a pink background with "No Excuses" written above and behind her in white font.Sempre achei que Meghan Trainor tinha tudo para ser a Katy Perry dessa segunda metade da década. Bom tino para músicas catchy, personalidade divertida, jeito de sucesso. O primeiro álbum provou que ela podia seguir esse rumo (e baseado no fato de que pelo menos um Grammy ela já tem), mas algo aconteceu na produção do segundo álbum – o grande desafio de todo artista novato – ou podemos dizer, uma Epic aconteceu nesse período que transformou o novo CD naquela bomba que era o “Thank You” e um promissor single, “NO”, a única coisa decente de uma era que mal aconteceu de fato.

Meghan deu uma sumida (que eu nem sei bem se foi bom ou ruim pra carreira dela), voltou a ser loira (impressionante como ruiva tirava toda a personalidade dela) e agora está com um lead single, abrindo os trabalhos do terceiro álbum (infelizmente, ainda com a Epic) com “No Excuses”.

Será que agora vai?

Sobre a música, era óbvio que a Meghan voltaria com um som mais moderno, mas com leves influências retrô, que é justamente a vibe da moça. A linha de baixo meio eletrônica, as palminhas. É bem gostosinho, bem primeiro single pro verão. O refrão é forte e a letra até interessante – parece a Meghan respondendo a alguém sendo impertinente com ela; mas no geral, a produção é altamente descartável. Bem qualquer nota.

Agora, uma música chiclete, apesar da produção batida, pode crescer bastante com um bom clipe. Não é o caso do vídeo de “No Excuses”, fraquíssimo, com zero replay value e com cara de que a Epic não investiu um níquel nisso. Acho que o único dinheiro que a gravadora botou nesse clipe foi pro CGI para ampliar o número de Meghans. Até “All About That Bass” e “Lips Are Movin” pareciam ter mais budget. Essa mulher ganhou um GRAMMY, cadê dinheiro pra investir???

No fim das contas, apesar da música até ser boa e grudenta, a faixa tem um problema sério: não é marcante, não se destaca, não me atrai para ouvir o resto do futuro CD. Não traz nada de interessante até mesmo para o ano, especialmente com o vídeo sem graça. Queria muito ter gostado, porque simpatizo de graça com a Meghan Trainor; no entanto, aparentemente ela perdeu o bonde da história há algum tempo.

O que achou do novo single da Meghan? Pode comentar!

 

I’m bringing sexyback… Again

Justin Timberlake - Filthy (Official Single Cover).pngApós cinco anos, muitos filmes, um hit massivo indicado ao Oscar (“Can’t Stop that Feeling!”) e participações no programa do Jimmy Fallon, Justin Timberlake está de volta! Mas, a julgar pelo vídeo promocional em que Justin aparece no meio da floresta, em contato com a natureza, revelando um lado mais pessoal e inspirado na família, tudo indicava que seu novo CD, intitulado “Man of the Woods”, seria mais puxado para uma vibe country/americana (especialmente porque o JT já vinha comentado sobre um CD country há algum tempo, e sua parceria com Chris Stapleton era bem celebrada dentro do mainstream).

Para surpresa dos críticos musicais, stan twitter e minha pastinha de memes, o lead single “Filthy” não é exatamente a nova Jolene.

Parte de uma estratégia de divulgação que inclui um clipe a cada semana até o lançamento do álbum dia 02.02 (Checkmate her influence), o primeiro gosto da nova era do “Presidente do Pop” foi sentido na madrugada de hoje, com áudio e vídeo do Steve Jobs do sexo.

Enfim, quem acompanhou o twitter, os fóruns, o pessoal comentando, deve ter sua opinião sobre o single. Particularmente, eu estou tão confusa com “Filthy” que o máximo que eu posso dizer é: não é O FUTURO DA MÚSICA e a inovação que querem vender, mas também não é o lixo sonoro que estão comentando na internet. É basicamente uma faixa eletro-funk com uma ótima linha de baixo retrô (o que já é meio caminho andado pra me comprar) que lembra essencialmente o que o Justin fazia no “FutureSex/LoveSounds”, lá em 2006. Ou seja, todos nós já ouvimos isso antes – só que com melhores resultados.

Musicalmente falando, é uma faixa confusa, porque eu gostei muito mais dos versos e do pré-refrão do que o refrão, que praticamente broxa você – eu espero explosão depois do pré-refrão, que me faz balançar os ombros e me soltar e o cara me aparece com um refrão-não-refrão falado? “Look What You Made Me Do” parte 2?

(aliás, acho que o JT deve ter contratado o mesmo ghost writer de 13 anos que compôs o lead da Taylor, não é possivel! A letra é constrangedora!)

A ambientação futurista é uma ótima ideia, apesar de a partir de 3:26 parecer que alguém exagerou nos efeitos e abafou o vocal do Justin; mas na primeira metade da música, estava tudo bem colocado. No geral, “Filthy” é grower, mesmo que estranha. De primeira, eu achei esquisitíssima, mas depois já estava dançando ao som da música. Agora, se tivesse um refrão explosivo e mais agudo, como um clímax pra vibe misteriosa e perigosa do arranjo, seria um grande momento pop. Uma boa ideia desperdiçada, infelizmente.

Agora é esperar como será a linha musical das próximas faixas a serem lançadas. Afinal de contas, acho que a impressão geral foi de que alguém vendeu gato por lebre – toda a primeira impressão da era “Man of The Woods” foi “roots”, “grittness”, “country”, “wild west, but now” e a apresentação musical desse trabalho é uma faixa futurista com a mesma vibe do segundo álbum do cidadão lançado há 12 anos atrás? É como se eu tivesse sido enganada na compra, e agora tô xingando no twitter e mandando uma mensagem pro Reclame Aqui.

E vocês, o que acharam do single do Timberlake?

Como se reinventar (ou não) com dois lançamentos de setembro

Setembro para a música pop é aquele mês em que os A-lists ou artistas em ascensão lançam os singles de trabalho antes do fim do período de elegibilidade pra ver se emplacam alguma música para o Grammy 2018. Dois desses artistas que podem entrar no corte final são Kelly Clarkson e Sam Smith, que lançaram seus leads recentemente e encontraram desempenhos curiosos até agora nos charts.

Onde hoje se define o que é hit ou não – o Spotify – o britânico teve uma excelente estreia, e no chart semanal do serviço de streaming, “Too Good at Goodbyes” está em segundo lugar. Nada mal para um artista cujo último single lançado foi a trilha sonora de um filme em 2015 (sim, é um filme do James Bond, mas é OST). Já “Love So Soft” da KC estreiou lá embaixo, quase no final do top 200 do Spotify. Nas rádios, no entanto, o desempenho da Kelly é muito bom, especialmente nas rádios adultas, assim como o próprio Sam. Já no iTunes, Kelly está no top 50, já com o (ótimo) clipe lançado; enquanto Sam Smith está ainda no top 10, em franca queda – mas não se esqueça de que ainda tem clipe pra lançar.

A partir dessas primeiras reações das duas faixas, é hora de entender como as músicas que comandam o comeback dos dois artistas podem oferecer insights sobre a era de cada um deles – assim como óbvias resenhas sobre a reinvenção (ou não) com um grande retorno à cena.

Reinventar-se usando suas influências

Quem acompanha desde sempre a carreira da Kelly Clarkson sabe que ela sempre teve como influências as grandes cantoras do R&B/soul, as grandes vozes como Aretha, Mariah e Whitney. Apesar de uma carreira extremamente bem sucedida fazendo aquele pop/rock gostoso a cara da minha adolescência nos famigerados anos 2000, a voz da moça sempre foi extremamente versátil – passando do pop, rock, country e agora esse retro-soul gostosíssimo de “Love So Soft”, lead single do “Meaning of Life”, novo álbum agora na gravadora Atlantic Records (adeus RCA).

O som é identificadíssimo com sua voz potente, é upbeat, fun, super KC – no caso, a sassy Kelly de “Walkaway” – e tem ainda um curioso break no refrão. Consegue ser moderna mesmo bebendo de fontes mais retrô, e tem uma óbvia maturidade que garante o estrago nas rádios adultas. O que é evidente, já que desde a aproximação da Kelly com o country, e a sonoridade mais pop do “Piece By Piece”, ela já vem indicando que vai se aproximar cada vez mais de um pop mais adulto, para um público maduro. E ela não tá errada, nem um pouco. É esse público que comprará seus álbuns, irá às suas turnês; e Kelly fica livre das pressões de gravadora e da mídia por hits e sucessos instantâneos. Tem carreira consolidada e Grammys.

O mais legal é que a Kelly conseguiu isso sem perder a identidade, trazendo um som novo pro repertório dela, mas que faz parte das suas influências. (e um certo award já deve estar de olho nela, cuidado)

Reinvenção é o quê? É de comer?

O segundo álbum é um desafio para qualquer artista, especialmente para quem vem de uma era bem sucedida e premiada. Você pode se superar e fazer coisas ótimas (“21”, “Futuresex/Lovesounds”, “The Fame Monster”, “Fearless”), pode cagar sua carreira inteirinha (“Thank You”, tô falando com você) ou pode ser o Michael Jackson mesmo. No caso do Sam Smith, ele optou pela safe choice de uma versão levemente mais up que o seu maior sucesso (“Stay With Me”) com o lead single do novo álbum, “Too Good At Goodbyes”.

Aqui, continuamos ouvindo o mesmo pop soul com coral gospel, e apesar do vocal melancólico do Sam continuar o mesmo. A diferença é que o arranjo é só um pouquinho (inho) mais animado e a letra tem um cinismo delicioso, versos super relatable – além do pré-refrão e refrão bem grudentos. Mas de resto, achei bem decepcionante. Não era isso que eu esperava do trabalho novo de um Grammy e Oscar winner. Porque dá pra se reinventar mantendo seu estilo, mas isso não significa que você siga a mesma cartinha de seu álbum anterior. Soa preguiçoso e calcado essencialmente em jogar no seguro.

Apesar disso, o negócio é que a faixa do Sam tem potencial para fazer mais do que o desempenho atual. O clipe ainda não foi lançado e ainda tem a divulgação massiva (a Kelly, por exemplo, já se apresentou no Today Show), e a faixa se mantém apesar dos pesares no top 10 do iTunes. O que me surpreende mesmo foi a boa estreia no Spotify: a faixa passa longe dos hits virais do serviço (mais urban e rap) e tem forte apelo adulto (por isso o sucesso nas rádios AC). Talvez o fato da música ter sido lançada com um clipe exclusivo para o Spotify tenha ajudado; ou o público comprou a música especialmente porque é uma midtempo lançada quase no Outono americano, e tradicionalmente o que bomba são faixas mais lentinhas. O que eu sei é que – se o Sam conseguir emplacar mesmo no Spotify, terá fácil o selo de hit. (e pode garantir lugar NAQUELA premiação do ano que vem)


E aí, qual destas foi o seu lançamento favorito? Deixe suas considerações nos comentários! 😉

Taylor Swift arranjou uma ghost writer de 13 anos

Eu demorei de escrever uma resenha sobre o lead single da Taylor Swift, “Look What You Made Me Do” (do novo álbum da estrela pop, “Reputation”, que chega dia 10 de novembro), porque estava morrendo de preguiça. A velha preguiça que me acomete sempre; e preguiça da música mesmo. Eu não acredito que uma das letristas mais competentes da música pop dos últimos 10 anos teria regredido para uma adolescente revoltada de 13 anos em 2004.

Nem me importo com o beef dela com o Kanye West – que continua a ser alimentada há quase uma década, assim como o cansado feud Katy x Taylor – porque ela poderia ter escrito algo do gênero com mais habilidade e inteligência. “I don’t like your little games / Don’t like your tilted stage / The role you made me play / Of the fool, no, I don’t like you” (e repete I don’t like you na mesma estrofe), ou “I don’t trust nobody and nobody trusts me” parecem vindos de um diário revoltado juvenil (o que é aquela frase da bridge “I’m sorry, the old Taylor can’t come to the phone right now /Why? Oh, ‘cause she’s dead!”? Minhas discussões com os meus pais aos 12 anos eram mais evoluídas que isso aí). Uma letra preguiçosa, sem graça, um eletropop com uma ambientação “obscura” anos 2000 com o sample de “I’m Too Sexy” no refrão igualmente sem graça de uma música onde muita coisa acontece, mas pouca coisa realmente marca você.

“Look What You Made Me Do” padece de um problema que eu tinha indicado na resenha de “Green Light”, da Lorde (que curiosamente, compartilha o mesmo compositor e produtor, Jack Antonoff): as quebras da música – ela começa com um arranjo 1, segue para o pré-refrão em coro (a melhor coisa da música, que curiosamente lembra algo da Lorde) 2, o refrão falado 3 (que tem uma bateria meio seca acompanhando); volta para o arranjo 1, e pula para um arranjo 4 sem sentido algum. É muita informação acontecendo ao mesmo tempo e algumas vezes me senti ouvindo uma colagem de músicas escrita pelo Victor Frankenstein.

(Taylor, quando eu tinha 12 anos escrevia uma lista de pessoas que eu gostava e não gostava no meu diário. Era um ranking semanal. Eu tinha 12 anos, com 27 eu não ligo a mínima. Conselho de amiga.)

No entanto, mesmo que eu diga que a música não é boa, é esquisita, é ame-ou-odeie, a construção é confusa e a letra pedestre, “Look What You Made Me Do” já é um monstro no digital, streams e rádios, pode tirar “Despacito” da décima-sétima semana em #1 e certeza que arranja indicação este ano mesmo a Pop Solo no Grammy (por estar dentro do período de elegibilidade). O hype da Taylor é forte, todo o marketing em torno da música e da volta da cantora é evidente, e os deals com as plataformas de execução da música darão esse empurrãozinho para a música iniciar uma trajetória de sucesso. Mas nada disso tira a decepção de saber que Taylor Swift, uma das singers-songwriters mais interessantes do pop, contratou uma menina de 13 anos para escrever seu novo hit.

O que vocês acharam da música?