Últimos Lançamentos [2] Justin Timberlake já pulou o tubarão faz tempo

Às vezes um artista toma uma decisão que podemos considerar a pior possível, e quando o act em questão é um homem, a gente se questiona ainda mais a razão: geralmente o fandom de act masculino não é tão flexível com mudanças de imagem ou som quanto os fãs de acts femininas – ter uma fave mulher é sempre contar que ela vai mudar, desenvolver o som, sair da caixa e fugir das obviedades, e é o que a gente quer! E geralmente, essas mudanças, quando bem-realizadas, funcionam.

Quanto aos homens, raros são os acts que decidem chutar o pau da barraca e dizer “hoje eu decidi mudar tudo!” – e entre os raros, pouquíssimos são bem sucedidos nisso. É como se as mulheres no pop estivessem sempre movimentando, buscando romper barreiras, enquanto os homens prosseguissem numa toada bastante confortável. Dá uma análise interessante sociológica, mas nem é meu foco aqui.

Confissão: eu faço parte do fandom de um artista masculino, e sonho com álbuns de sonoridades diferentes no futuro – tô sempre esperando qualquer coisa dele. Mas eu me chocaria se ele fizesse algo que não é parte do coração do seu som, tipo lançar um CD de EDM pesadíssimo produzido pelo Calvin Harris.

… Tá, mas falando em acts masculinos que decidiram mudar tudo, tem dois exemplos de movimentos musicais que deram errado, muito errado, gerando o “jumping the shark” – é como se eles tivessem passado do ponto, sem possibilidade de voltar ao que eram antes. Um deles é Usher (Usher, Usher…), que ao alienar sua fanbase R&B para entrar na modinha eletropop, foi para uma viagem e nunca mais voltou. Aliado ao fato de que ele nunca reforçou a própria brand muito bem, hoje poucos imaginam que o blueprint do artista pop/R&B que dança, canta em falsete e tem cenas sensuais em seus vídeos é Usher – e não o artista de quem falaremos agora.

O segundo a “jump the shark” é Justin Timberlake, e esse processo foi longo, culminando com o TENEBROSO “Man of the Woods”, aquela apresentação sem graça no Halftime Show e essa música lançada para a trilha sonora do novo filme do “Trolls” (desapega disso, homem!), chamada “The Other Side” (lançada em 26/02) em parceria com SZA.

SZA and Justin Timberlake - The Other Side.png

Provavelmente a melhor faixa envolvendo Timberlake em ANOS (desde a segunda parte do 20/20) é um disco-funk chill e divertidinho, cheio de balanço e um refrão bastante grudento que mostra a versatilidade da própria SZA, um dos principais nomes do R&B atual, criticadíssima pelos puristas do gênero por cantar em itálico (ou seja, aquela voz meio manhosa, como se tivesse bebido demais, que muitos puristas não curtem muito), mas que aqui vira uma diva funk que torna Timberlake desnecessário numa faixa para um filme onde ele é o protagonista.

O vídeo é simples e eficiente, e SZA de longe é a estrela, enquanto Timberlake parece o “cara das antigas” tentando recuperar o sucesso com a nova geração, numa música que é boa, mas não é exatamente o que o cara que realizou “FutureSex/LoveSounds” e colocou o pop pro futuro junto com Timbaland. E sabe onde ele realmente “pulou o tubarão”? No dia em que ele gravou “Can’t Stop The Feeling”.

E isso não é apenas uma constatação minha – muita gente considera que essa decisão minou alguma coisa na relação de JT com seu público – de “Mr. Sexo” para cantor de trilha sonora de filme infantil, e não houve retorno. Não sei se isso tem a ver com a voz dele, que a cada ano parece mais com voz de ex-membro de boy band, ou o fato de que se dividir entre ator e cantor (quem recomendou gente? A projeção vocal dele é péssima para um lead actor…) causou alguma desconexão e ele mesmo passou a acreditar demais no próprio hype – a julgar por aquele SuperBowl…………………………

Ao mesmo tempo, retornar ao pop/R&B (e buscar inspiração em soul, funk e disco) é back to basics para Timberlake, o movimento mais óbvio para quem perdeu tração nos últimos anos, e tem muita gente interessante na cena, que parece estar retomando um certo protagonismo, com quem ele pode se aliar (Kehlani, H.E.R, The Weeknd, Lizzo). O problema é que ele pode não ter o retorno de público, já que muitos o viram como alguém que sempre se utilizou da cultura negra para lucrar (muitos esperam o perdão pra Janet…), e a landscape sobre apropriação cultural e brancos sendo “a face” da música negra é bastante prevalente nos últimos anos.

Por isso…? acho que o caminho do Timberlake vai ser testar as águas pra ver se não dá pra pular outro tubarão e voltar tudo de novo. O que é impossível.

E vocês? O que acharam da música com o JT? Acreditam que ele tem chance para um comeback após divulgar “Trolls World Tour” ou ele perdeu o bonde da história?

O próximo lançamento que vou comentar aqui é de um single com a marca registrada de uma famosa franquia, e de uma música famosa dessa mesma franquia… Quem será?

Drops Grammy 2018 [4] “Awaken, My Love!”, Childish Gambino

O Grammy Awards está bem perto (faltam menos de duas semanas para a grande noite) e o Drops Grammy 2018 chega ao clássico momento indie dos indicados a Álbum do Ano. O Grammy sempre cotiza uma parte dos indicados para os artistas alternativos desde os tempos do Beck (que até ganhar com o “Morning Phase”, tinha batido na trave umas duas vezes), Radiohead, The White Stripes, Arcade Fire, Alabama Shakes e aquele ano em que todo mundo era indie, pop ou não (2013, com a vitória do Mumford & Sons).

Para 2018, esse espaço é ocupado com glórias merecidas por Donald Glover aka Childish Gambino. Ator, rapper, roteirista, diretor e um dos caras mais queridos da turma nerd/geek e do pessoal que acompanha cultura pop, ele surpreendeu todo mundo com o cuidadoso e incrivelmente bem-trabalhado “Awaken, My Love!“, tomando emprestado referências do funk e do soul dos anos 70 com uma vibe surpreendentemente futurista. A indicação em Álbum do Ano, apesar de surpreendente (já que muitos garantiam no mínimo o single “Redbone” no Big Four), não é injusta – é um grande CD.

Mas será que o CD mais “diferentão” do corte final tem alguma chance nessa premiação? Dê play no vídeo e confira!

Mark Ronson e o fôlego em Uptown Special

Cover CD Mark Ronson Uptown SpecialQuem acompanha música deve conhecer alguma coisa sobre Mark Ronson. O DJ e produtor britânico por trás do clássico “Back To Black”, da Amy Winehouse (além de trabalhos com Lily Allen, Christina Aguilera, Robbie Williams e Bruno Mars), é sempre sinônimo de mistura de várias influências em busca de um som moderno, mas com um pezinho no passado. E com o lançamento de “Uptown Special”, o foco são os anos 70.

O que ninguém – nem ele mesmo esperava, como relatado na reportagem de capa da Billboard desta semana– era que o seu novo álbum (o terceiro em sua discografia) seria tão ansiosamente esperado por causa do primeiro grande hit do ano, “Uptown Funk”, um sucesso massivo e que não dá mostras de diminuir a velocidade da dominação tão cedo. O lead-single do álbum acabou levando crítica e público a conferir o que Ronson tinha preparado para o álbum – como a participação especial do mito Stevie Wonder em duas faixas, além da contribuição do escritor vencedor do Pulitzer Michael Chabon nas músicas do CD.

Será que já podemos incluir “Uptown Special” nas listinhas futuras de melhores de 2015, ainda em Janeiro? Confira no track-by-track!

Continuar lendo

Ficar parado é a última coisa que Mark Ronson e Bruno Mars fazem no vídeo de”Uptown Funk”

Mark Ronson and Bruno Mars Uptown Funk video

Num mundo essencialmente pop, sempre bom tem um pouco de groove pra contrabalançar, não é? E é isso que o produtor britânico Mark Ronson (o homem por trás do icônico “Back To Black” da eterna Amy Winehouse, além de ter trabalhado com nomes como Lily Allen, Robbie Williams e Christina Aguilera) está apresentando no primeiro single de seu novo álbum “Uptown Special” (para quem não sabe, ele tem três álbuns lançados), o funk-soul nervosíssimo e cheio de ginga “Uptown Funk”, com participação especial de outro parceiro musical, Bruno Mars.

Para quem não sabe, os dois trabalharam juntos na produção do segundo álbum do havaiano, “Unorthodox Jukebox” (que levou o Grammy de Melhor Álbum Pop em 2014) – aquele álbum espetacular que mesclou os anos 70 e 80 melhor que muito cd inspirado nos anos 80 por aí – e como a química bateu, Bruno tem créditos de participação em outra faixa do álbum de Ronson, que está previsto para ser lançado em 2015. Mas primeiro, vamos começar com esse petardo incrível que é “Uptown Funk” – uma música completamente diferente do que tá rolando por aí, mas com uma capacidade radio-friendly incrível, graças à qualidade da faixa e a voz moldada para o grande público que é a do Bruno Mars, mas com um pouco mais de agressividade e força que viriam bem também à sua pequena discografia.

O novo álbum de Mark Ronson também conta com participações de Kevin Parker do Tame Impala, Andrew Wyatt, e do produtor Emile Haynie, além de outros nomes. E pode-se esperar uma abordagem bem setentista e cheia de ritmo no CD, assim como o lead single “Uptown Funk”, que muitos críticos dizem ter influência de Prince, outros de Michael Jackson, e eu vejo um pouco de James Brown, principalmente na parte final da música.

E com a música já estourada nos charts (subindo velozmente nas rádios, em primeiro lugar no Chart Viral do Spotify e em vigésimo-segundo no iTunes), é claro que a nova dupla dinâmica da música ia lançar o clipe do single, que segue na mesma vibe da música. Um clipe cool e descolado, com muitas cores, dancinhas charmosas do Bruno e os Hooligans (além da participação bem cool do Mark Ronson balançando a cabeça) e um dos momentos mais bizarramente divertidos do mês: uma sequência de Bruno e Mark num cabeleireiro, com bobs na cabeça, cruzando as pernas e – claro – balançando a cabeça ao som do ritmo impecável de “Uptown Funk”.

Eu ouvi hit? Eu ouvi viral? Confira o elétrico vídeo!