Video Music Awards [5] Combo de Chances

Como eu havia dito no post anterior sobre o Video Music Awards 2018, como estamos às portas da premiação, hora de juntar as análises restantes num post só, retornando o lindo “Combo de Chances VMA”. Na primeira parte, alguns palpites sobre as três categorias técnicas que restaram para discussão (Direção, Direção de Arte e Coreografia); e depois, a cereja do bolo da premiação (Canção do Ano, Artista do Ano e Vídeo do Ano).

Tudo isso depois do pulo!

Continuar lendo

Anúncios

Video Music Awards [4] Melhor Colaboração, Artista Revelação e Push MTV

Prosseguindo com as análises dos indicados ao Video Music Awards 2018 às vésperas da premiação (que este ano será numa SEGUNDA-FEIRA, 20.08), hora de falar de uma categoria associada à música (Melhor Colaboração, que independe de gênero), e duas de revelação, uma com o nome já propriamente dita; e outra chamada “Push Artist of the Year”, que foi emprestada de uma categoria já existente há dez anos no EMA. A ideia dessa categoria é premiar up-and-comers de várias partes do espectro musical, que fizeram sucesso nos meses específicos determinados pela MTV.

Particularmente não faz sentido algum, mas vamos pensar que “Revelação” é o award para o artista que foi a revelação mais mainstream; enquanto o “Push” é aquele que não precisa ter estourado na consciência coletiva, mas tem potencial para no ano seguinte ser mainstream.

Enfim, dessa forma é possível hahah Hora de conferir as análises de Melhor Colaboração, Artista Revelação e Push Artist of the Year!

Continuar lendo

Vencedores e perdedores de 2018 [primeiro semestre]

O ano de 2018 chegou à metade e sempre é bom ver, em retrospecto, as coisas que deram certo ou não dentro do pop. Quer dizer, as raridades que deram certo na terra arrasada do pop né; porque com as plataformas de stream dominando a forma de consumo dos americanos, o pop simplesmente não tem vez dentro do zeitgeist musical ocidental, pensando em EUA (porque na Europa a coisa é diferente, sem falar dos movimentos musicais em outros continentes que vamos comentando aos poucos). Quem realmente bomba no Spotify/Apple Music são os rappers (especialmente a turma trap-inspired e o rap de Atlanta), com ênfase em “os” – o grande destaque feminino continua sendo a rapper do momento Cardi B, enquanto Nicki Minaj busca se fortalecer numa nova estrutura de cultura pop/rap.

Enquanto isso, os acts pop mais novos parecem ter esquecido a importância do YouTube e de bons vídeos para manter o interesse geral, já que não rola aderência no Spotify, as vendas digitais estão na UTI e as rádios pop estão imersas em “quem paga mais” (apenas a gravadora da Camila Cabello entendeu bem isso); os mais experientes lançaram materiais ou muito ruins ou muito bons mas sem apoio; e parece que as coisas mais inventivas do pop não vem exatamente dos EUA. Movimentos fora do esquemão americano WASP ganham espaço.

Pensando nestes encontros e desencontros é que eu trago uma lista de vencedores e perdedores no pop de 2018, cobrindo o primeiro semestre. Lá no final do ano, eu retomo essa mesma lista com os destaques do ano em geral, e perspectivas para 2018. Por isso, coloque os headphones, aperte play na “Today’s Top Hits” do Spotify e continue lendo!

Continuar lendo

Design de um Top 10 [38] É hora de mudar

Essa semana tivemos novidades nos charts da Billboard. Drake voltou ao #1 após duas semanas do boom “This Is America”, novamente com “Nice for What”, mais um single modorrento de sua nova era. O top 10 prossegue dominado pelo rap e urban, e os hits do verão começam a aparecer ou se solidificar no top 10 – como por exemplo, “The Middle”, que deu uma bela sumida esta semana, e é uma das poucas faixas representativas pop em 2018.

Mas hoje eu vou falar essencialmente das três novas aparições no top 10, uma delas histórica – e bem indicativa sobre a situação do pop americano.

Top 10 Billboard Hot 100 (02.06.2018)

#1 Nice For What – Drake

#2 This Is America – Childish Gambino

#3 God’s Plan – Drake

#4 Psycho – Post Malone feat. Ty Dolla Sign

#5 The Middle – Zedd, Maren Morris & Grey

#6 Yes Indeed – Lil Baby feat. Drake

#7 Meant to Be – Bebe Rexha feat. Florida Georgia LIne

#8 Boo’d Up – Ella Mai

#9 No Tears Left to Cry – Ariana Grande

#10 Fake Love – BTS

Drake não apenas deu as caras de novo no topo – agora, o canadense tem três músicas no top 10, passando Elvis Presley com 26 aparições no top 10 da Billboard, e uma delas é um featuring: “Yes Indeed“, cujo artista principal é Lil Baby, mais um rapper vindo diretamente da cena de Atlanta, onde é feito o mainstream rap atual. O pulo de 43 posições até o sexto lugar é creditado à principal plataforma de consumo de música atual, o streaming, que deu impulso ao crescimento da faixa. Não há mais como negar o poder do streaming no surgimento de diversos rappers de variadas tendências, e essa tendência não parece diminuir nem um pouco.

(quanto à música? Não tem nem três minutos gente, surreal)

A outra estreia no top 10 é “Boo’d Up“, da britânica Ella Mai. É o primeiro top 10 da cantora e sua primeira entrada no chart, saindo da décima-primeira posição para a oitava. A faixa ainda está em fase de crescimento nos charts de rádio e digital, apesar da segunda semana nos charts de R&B; mas o segredo aqui é – ele mesmo! – o streaming, onde está na sexta posição do chart oficial.

A música é um achado dentro da parada, repleto de mumble rap e EDM orgânico a la Chainsmokers. Um pop/R&B com vibe early-aughts (afinal de contas, daqui a pouco 2000 serão 20 anos e já dá pra fazer revival), tem jeitinho de que vai sobreviver bem no verão. É fresh e bem cara de fim de tarde.

Mas talvez o grande destaque desta semana seja mesmo o debut em #10 do fenômeno K-pop BTS com o single “Fake Love”. O grupo já tinha estreado em #1 no Billboard 200 com o álbum “Love Yourself: Tear”, a primeira vez de um álbum do gênero; e agora, os meninos fazem história com a estreia diretamente no top 10 da Billboard. Apenas outro act de K-pop chegou tão longe: ele mesmo, PSY com “Gangnam Style” (#2 em 2012 – mas deveria ter sido primeiro, só que as maquinações das rádios não deixaram) e “Gentleman”(#5 em 2013).

Como o BTS chegou tão bem assim? Dominando os charts digitais: “Fake Love ficou em #1 no chart específico; enquanto estreou bem no streaming, na sétima posição. Ou seja, mesmo com domínio numa plataforma que não tem a mesma dominância de antes, o BTS tem abrangência onde realmente interessa dentro do chart – e na forma de consumo do público americano atual: o streaming, onde os artistas pop americanos sofrem para se adequar.

E a música gruda mais que chiclete no tênis. Se você não ficar cantando “I’m so sick of this fake love fake love” você não tomou o nocaute. (e sério, o que é o investimento financeiro nos clipes? A gente reclama que o pop americano não quer colocar dinheiro para visuais e não quer oferecer entretenimento… Eis uma razão porque tanta gente tá consumindo k-pop: os acts entregam entretenimento, imagem e performance)

 

E você, o que achou das novas entradas no top 10 do Hot 100? Quais são suas previsões para o verão americano?

Outros hits dos anos 2000

Como alguns de vocês que acompanham o blog devem saber, eu sou uma cria dos anos 90 – novelas da Thalía, Bambotchan, Boquinha da Garrafa, prova da Banheira do Gugu, Só pra Contrariar e Disk MTV com Britney e Christina. Apesar de ter sido exposta ao pop ainda criança, influenciada por minhas primas que assistiam religiosamente à MTV, só depois de 2005 que realmente tive uma espécie de “despertar da cultura pop”. A minha relação com tudo que surgiu após esse ano tem um misto de nostalgia, proteção e vergonha alheia; enquanto tudo aquilo entre 2002 e 2004 eu vejo com um olhar mais distante e crítico, porque nessa época, eu conhecia os artistas famosos graças às conversas com os colegas, as músicas que o pessoal trazia pra escola no famigerado MICRO SYSTEM (smartphone e Spotify não existiam nessa época), ou o que tocava na novela. Ou seja, foi tudo muito mainstream e de segunda mão, e baseado nos sentimentos e gostos de outras pessoas – o que me ajudou a ter uma visão mais objetiva sobre o mundo pop quando se fala dos grandes nomes desse período.

Ao mesmo tempo, por ter “despertado” lá para os 15 anos, e não ter sido stan de ninguém com muito afinco (simpatizava e curtia muito um ou outro artista, até comprava CD; mas nada como hoje em dia, que tenho várias revistas, álbuns com versões deluxe, pôster no quarto e fui a show), só fui me tornar fã de verdade mais tarde – com 19/20 anos, quando pra muita gente essa vivência é amplamente sedimentada. De certa forma, sou uma stan bem pé no chão e não tenho medo de fazer críticas quando necessário.

Por isso, eu acabo me lembrando do que houve no pop na década de 2000 pensando nos superstars que bombaram no período; e nas músicas que apareciam volta e meia no MTV Hits, ou no comercial da Globo FM, que sempre contava com as clássicas baladas anos 90 e uma ou outra uptempo; e por essa mesma razão – pra me lembrar de clássicos esquecidos, one hit wonders e músicas de uma década em que tudo aconteceu e tudo foi testado – que este post foi criado.

A ideia de Outros hits dos anos 2000 é não ir atrás do Timberlake, Britney, P!nk, Beyoncé ou Rihanna. Aqui eu vou atrás de quem bombou num período e depois flopou, one hit wonders, músicas que eu aposto que você conhece, mas nunca ligou o nome à pessoa, ou mesmo os primeiros singles de artistas que hoje estão em todo canto (mas que não são os supracitados). A playlist completa você confere no Spotify, enquanto aqui você confere os alguns destaques.

Dê um pulo e aproveite a viagem!

Continuar lendo

O Estado do Pop Brasileiro

Originalmente este post seria no sábado passado, mas como diria uma grande pensadora contemporânea, assista pensando que foi publicado há uma semana atrás…

O vídeo de hoje no canal Duas Tintas de Música trata sobre o pop nacional massivo (termo que vou explicar com calma no vídeo), suas histórias de tensionamento com o chamado “pop tradicional”; a importância dos nomes do passado, tendências vindas de centros fora do eixo RJ-SP e artistas pioneiros no cenário que temos hoje – e evidentemente, qual é o estado do pop brasileiro em 2018.

Espero que aproveitem!

Álbuns Atrasados #1 – Camila Cabello, “Camila”

O ano sempre começa depois do carnaval, e por isso, desejamos FELIZ 2018 com resenha nova de um álbum que saiu tem um tempinho. Lançado dia 12 de Janeiro, o “Camila” da Camila Cabello, ex-membro da girlband Fifth Harmony, é um álbum pop que mescla influências latinas e R&B num trabalho que inicialmente tinha um contexto mais dramático (e outro nome de CD); mas que, graças ao sucesso de “Havana”, ganhou vida nova, ideias renovadas e execução, se posso adiantar o assunto do vídeo, excelente.

Abrindo a nova playlist do canal do Duas Tintas de Música no YouTube, Álbuns Atrasados, “Camila”! É só dar play e conferir!