Qual o futuro da música pop americana?

Nos últimos dois anos, a música pop americana passou por fases interessantes, que vínhamos chamando de um “período de transição”. Em primeiro lugar, quando discutíamos sobre a desconstrução de alguns estilos, a disputa entre “integrados” e “puristas” – quem queria produzir algo fora das caixinhas versus quem fazia um pop mais alinhado a ressignificar as tendências para a rádio top 40; e mesmo assim, o rap continuou (e continua) sendo o gênero mais importante dos últimos anos, o gatekeeper sonoro do público americano.

Além disso, outro elemento está tornando as músicas que são lançadas nos Estados Unidos passíveis de serem hits ou não: se elas se tornam virais no TikTok, a rede social comandada pela Geração Z, meninos nascidos a partir de 1995 até meados de 2010, e que acabam determinando as tendências musicais através das músicas que eles usam para os desafios, dublagens e trends.

Mas, para avaliarmos se as tendências atuais vão continuar por algum tempo – que na verdade não vão continuar por algum tempo, porque tudo é cíclico – ou se finalmente o pop encontrou um percurso, é hora de entendermos um pouco sobre quais são os caminhos que o zeitgeist da música pop americana vai seguir.

Em primeiro lugar, é hora de colocar as coisas em seus devidos lugares. Afinal de contas, quais são os três caminhos que a música pop americana está seguindo neste momento?

1. O rap ainda continua sendo o gênero mais importante da música norte-americana – mas os #1s deste ano contam uma história distinta;

2. Kpop e Reggaeton fazem parte de um movimento que envolve adolescentes e novas formas de consumo musical, bem como grupos demográficos cada vez mais relevantes culturalmente nos EUA – apesar do top 10 não refletir de todo essa perspectiva;

3. O pop norte-americano ainda não sabe para onde ir, mas tem caminhos.

E que caminhos são esses? Eles estão relacionados aos novos artistas do momento, e podemos resumi-los com o

O bedroom pop na verdade é a música lo-fi, canções produzidas com aspectos minimalistas, algumas distorções, e de preferência são realizados dentro de casa, dentro do quarto (daí o termo “bedroom pop”). Com algumas batidas mais destacadas, às vezes marcadas pelo hip hop, se você fizer uma leitura por alto vai entender que eu tô falando de Billie Eilish.

Eu tinha comentado em outra oportunidade que, para mim, era uma representante óbvia de uma tentativa de desconstruir a ideia do que era pop americano, mas aos poucos com os últimos lançamentos (incluindo a acústica “Your Power”, do seu novo álbum), a gente vai enxergando que a área dela é algo mais minimalista e lo-fi, mesmo que ela não seja a primeira a mostrar isso. Mas o fato é que essa sonoridade sendo mais expandida (e premiada com Grammys) abre espaço para que artistas mais novos (ainda mais que a própria Billie) tenham espaço para fazer algo mais “fora da caixinha”, como por exemplo a queridinha dos adolescentes, Olivia Rodrigo.

“drivers license”, seu #1 e o maior hit do ano, parte desse princípio, de produção mais minimalista, com algumas distorções. No seu segundo single, “deja vu”, mais animado até, a produção tem mais informações, mas não há um overproducing, são soluções bem bacanas e bem trabalhadas. Apenas em “good 4 u”, terceiro single e com pegada pop rock anos 2000, você percebe algo maior (e, apesar das boas intenções, eu achei que o arranjo ficou maior do que a voz da própria artista). Onde em som você percebe alguns passos para trás no aspecto de produção, com algo menor (não chegando a ser totalmente mínimo como Billie, por exemplo), nas letras você percebe a influência de singers-songwriters que trabalham justamente com relacionamentos, fim de relacionamentos e a capacidade de colocar indiretas em música – Alanis, Taylor. Já na voz, colocação, impostação, o primeiro nome que veio à mente foi a de outro prodígio, Lorde, que de certa forma foi uma das réguas-e-compasso no começo da década para que jovens cantoras e compositoras fossem respeitadas fazendo um som pop que fugisse um pouco do padrão estilo anos 2000 (as minhas referências pessoais de música pop são justamente daí). Com Lorde, há espaço para você ser mais alternativa, mais indie. E até mais mínima (quem não se lembra das batidas secas e marcadas de “Royals”?).

Quem não se lembra de Alessia Cara?

Ou seja, se você já tem um caminho, herdeiros de uma estética, existe um caminho a seguir.

(eu já li algumas pessoas discutindo o pop/rock ser o novo gênero do momento para o pop americano, mas eu sempre penso em: se tiver que acontecer, é necessário que um nome novo faça essa ponte, e não os artistas consagrados. A ver os próximos capítulos)

Eu não sei até que ponto o bedroom pop vai ser o grande momento da música pop americana que vai responder a até então dominância do rap/urban; mas é importante registrar que ainda existem artistas pop trabalhando com essa linha de encontros, como Justin Bieber e Ariana Grande – já considerados A-List, com uma carreira consolidada e pouco prováveis a mudar esse caminho por conta de novas trends.

Sim, teremos encontros especialmente porque esses artistas em sua gênese tem influências e bom trânsito entre artistas de rap e urban, e até que o que era centro vire nicho (O que eu duvido que isso ocorra, acho que o gênero só terá menos dominância), eles ainda serão muito relevantes e consistentes, se atualizando sempre. Aliás, o #1 de Justin Bieber em 2021, “Peaches”, mostra um bom exemplo dele fazendo pop com pegada R&B, mas com um olhar para as rádios top40 (aliás, a música tem uma batida excelente, apesar da letra mais ou menos), com uma sonoridade fresh, sem parecer datada ou cansada.

Ainda não é possível ver artistas mais novos olhando para Bieber ou Ariana como referências e você dizer “nossa, ele é o novo Justin”, e aí é que reside meu questionamento – quem participa dessas interseções vai prosseguir, ainda sem “herdeiros”, mas quem está “nos extremos” já tem seguidores. Ainda temos rappers surgindo e se consolidando: entre as mulheres, por exemplo, Doja Cat é o nome do momento, Megan Thee Stallion, Saweetie. No pop americano, não temos esse surgimento aos montes, de artistas novas, como na virada da década de 2000 para 2010 onde a cada respirada você descobria a “nova Lady Gaga”.

Antes de Olivia Rodrigo emplacar três top 10 na Billboard, quem foi realmente a grande coqueluche feminina pop de artista estreante? Okay, você pode falar “Billie”, mas a distância é grande demais para significar um retorno.

Antes de Billie, quem foi a grande coqueluche feminina pop? Muito provavelmente Meghan Trainor em 2014, se não me engano.

(antes, vamos tirar quem pode ser A-List atualmente, mas precisa apresentar mais consistência, como Dua Lipa e Harry Styles)

Então… Se Justin Bieber e Ariana Grande podem ser considerados os A-Lists da música pop americana atual, quem estourou na virada da década passada ou nas décadas anteriores seria o quê exatamente?

Vamos pensar nos nomes mais óbvios:

Lady Gaga conseguiu retornar a um estado de relevância com “Chromatica”, mas de fato não foi o álbum que todo mundo esperava que fosse o grande retorno de Gaga ao mundo pop. Considerando que ela está dividida na carreira de atriz e de cantora, 0a minha sensação é que hoje em dia ela é uma artista de legado, bastante confortável em sua posição, e que não vai ter os mesmos #1’s do passado, mas jamais vão considerá-la um grande flop caso lance algo novo, porque vamos dizer que ela conseguiu recuperar seu momento e melhorar a imagem após um meio de década confuso.

Katy Perry vai permanecer sempre lançando um bom single, bons trabalhos dentro do pop, mas infelizmente, graças a escolhas ruins de carreira (maldito “Witness” e seleção de singles do “Prism”) o bonde da história acabou sendo perdido.

Kesha entra nesse mesmo grupo, mas não por conta de suas próprias escolhas.

Entre os homens, podemos dizer que The Weeknd finalmente chegou lá no topo. Abel provou sua versatilidade tanto no pop quanto no R&B, deixando sua marca neste último como um som condutor para muita coisa que se ouve hoje na cena. Não dá para saber quais são os próximos passos dele como artista após “After Hours” mas o que podemos dizer é que ele mostrou apelo visual e musical para todos os públicos, fazendo a gente olhar ou ouvir algo dele e dizer “ah, isso aqui é The Weeknd”. Podemos colocá-lo como um A-List atual também, mas numa lógica de construção de carreira muito diferente de Ariana Grande e Justin Bieber.

Pensando em outro #1 lançado este ano, Bruno Mars com o Silk Sonic e “Leave The Door Open” (alto nível de produção, estrutura e sofisticação no arranjo) é um caso um pouco mais complexo, já que ao contrário de outros artistas, a sonoridade dele nunca foi atrás do gênero do momento – você entendia que existia uma consistência no trabalho dele ao buscar como base o passado, até mesmo em seu primeiro álbum, onde o toque retrô é mais sutil.  Considerando que ele já tem dois AOTY  e o respeito dos peers, em tese ele pode lançar e trabalhar no que quiser – e faz sentido expandir seu trabalho com um super grupo, Silk Sonic, em parceria com o rapper Anderson Paak (ainda bem que os ouvintes casuais têm a oportunidade de conhecê-lo!), fazendo um trabalho paralelo. Só que, boom, “Leave the Door Open” foi hit, a música é trend no Tik Tok (para minha surpresa), e esse caminho mais consistente dele vai mantê-lo numa posição de A-List por um bom tempo – e com Bruno, temos a mesma situação de The Weeknd de você bater o olho ou ouvir uma música e dizer “ah, isso aqui é Bruno Mars”.

(ah, e essa estratégia de “lançar um álbum a cada copa do mundo”, impensado em tempos atuais com superexposição em redes sociais, só funciona com ele porque é parte da construção de carreira dele. Um Harry Styles não vai poder fazer isso… Ainda)

Uma dúvida que me consome é como Justin Timberlake vai entrar nessa jogada, já que seu último álbum foi um grande fracasso (então, o álbum é ruim né…). Eu estava pensando nisso porque como ele vai voltar? Com qual público ele vai conversar? Em especial porque esse público novo poderia consumi-lo por nostalgia anos 2000 (seja pela época do NSync ou pela primeira parte de sua carreira solo) ou seria um consumo crítico, graças a todas as questões com a comunidade negra desde a situação com Janet Jackson.

Agora… Eu não sei o que esperar de Rihanna. Seu último foi lançado em 2016, e de lá para cá a música mudou tanto a forma de consumo, as mídias sociais mudaram tanto a linguagem e a forma de produzir conteúdo (bem diferente de como RiRi se movimentava no começo da década, onde o que ela postava no Instagram era sempre viral) que é muito difícil entender se Rihanna consegue funcionar dentro dessa nova estrutura ainda mais superexposta que lá atrás.

O fato é que o “estilo Rihanna” de cantar e as suas interseções com urban já foram incorporados ao léxico do pop; então o seu retorno, como o comeback de uma artista que estava há alguns anos fora da cena, pode soar algo datado ou, a depender de como ocorra, seja o grande momento do século. Mesmo que Rihanna também tenha músicas dela participando de trends do TikTok, não dá para pensar na reação das pessoas em como ela vai voltar – e qual sonoridade ela trabalhará. Confio nela porque Rihanna sempre enxergou além em relação ao som pop, mas ainda assim é uma interrogação.

Tá, e Taylor Swift e Beyoncé? Se formos pensar em Beyoncé, a gente não conta. Ela é uma lenda viva mesmo que ela não lance um single avulso, um longo álbum; mas qualquer coisa que ela lançar vai trazer buzz, independente do formato – vai que a mulher lance o próximo álbum em quatro episódios de um documentário no Disney+ né…

Taylor também fica de fora dessa discussão pra mim. Eu acho que tanto ela quanto Beyonce estão na categoria de lendas, que passaram por poucos momentos complicados no seu percurso de carreira, e se mantém em alta e fazendo sucesso, não importando o que lancem. Atualmente, ambas são ícones que servem de exemplo a serem seguidos, e não precisam provar nenhum ponto, tampouco sua relevância. Então, você não tem como exigir delas que os seus trabalhos sejam sempre #1 e recordes de vendas. Mas trabalhos FODAS, você terá.

O pop americano tem caminhos a seguir. Ele não está mais em meio ao fogo cruzado entre ser o gênero esquecido por conta do gatekeeping do rap, ou tentar se unir a outros gêneros bem-sucedidos para manter a relevância. Existe um percurso, e artistas tentando seguir esse percurso; além disso, os grandes astros que estouraram na década passada, bem como aqueles que se mantém na mídia desde meados dos anos de 2010 ainda possuem uma carreira consistente, não deixando a peteca cair.

O que deve ser mais curioso a avaliar é a partir de 2021 para os anos seguintes: teremos esse caminho aberto pelo lo-fi music (ou bedroom pop), casado com artistas influenciados pelos A-Lists e ícones atuais? Os artistas com mais rodagem vão se manter, mesmo que com menos relevância, ou aos poucos ficarão mais nichados, sendo ouvidos pelos fãs e grupos de ouvintes do pop, longe dos ouvintes casuais? Nessa última situação, quem conseguiu se manter no auge com poucos erros na trajetória, hoje colhe os frutos desse legado, seja sendo um mentor,  um ícone em quem se espelhar, ou seguindo um percurso onde riscos podem ser tomados, e poucos podem fazer – tendo bala na agulha, aclamação e uma boa gravadora pra segurar seu B.O.

Já os jovens A-Lists do momento já tem trajetória e escolhas sonoras consolidadas. Agora o desafio é descobrir qual é o novo (ou velho) som que pode finalmente tornar a disputa de espaço não mais um domínio, e sim uma batalha.

Primeiro Grammy em que não me estresso com o resultado em ANOS

Exceto por isso daqui…

E olha que eu fui com total má-vontade, já que estava ainda muito chateada com a Academia por causa da esnobada com The Weeknd, que deveria ter sido indicado – e ganhado – por seu melhor álbum, “After Hours”. Contudo, as escolhas do Grammy Awards 2021 foram bastante interessantes e ninguém saiu de mãos vazias entre os grandes nomes da noite (quer dizer, Doja…?), e mesmo com a promessa de um sweep no ar, foi um ano com candidatos fortes e relevantes dentro de um período muito específico da música, em que divulgações tiveram de ser diferentes, premiações se adaptaram, e muitos artistas precisaram ou se reinventar, ou criar mesmo.

Por isso, premiar Taylor Swift e seu “folklore”, o álbum da quarentena por excelência, saiu justo e correto – além de ser um álbum excelente, cuja vitória é merecida. Ninguém aqui vai questionar essa conquista. Além disso, foi a vitória de quem buscou possibilidades dentro de uma música pop cada vez mais carente de criatividade e bons performers – Dua Lipa deu régua e compasso e “Future Nostalgia” vitorioso em Melhor Álbum Pop é a prova disso. Pode ser que, como performer, ainda falte um pouco para ela ser suficientemente magnética como outras estrelas que misturavam canto e dança, mas material bom ela tem.

Foi a noite de celebração de quem realmente domina a música mainstream americana – o rap. Não apenas porque você teve a oportunidade de ouvir vários tipos, abordagens e estilos de se apresentar, mas porque você viu SHOWS. Apresentações criativas (DaBaby), mais low-profile (Roddy Ricch), críticas e cinematográficas (Lil Baby), além de entretenimento e poder puro (Megan Thee Stallion e Cardi B). A cada performance, você percebe o quanto o pop dos EUA tem que ralar para oferecer o entretenimento e variedade que o rap está oferecendo (tanto rappers femininas quanto masculinos).

(aliás, os quatro prêmios do big 4 foram para mulheres este ano, você notou?)

Também foi a noite do BTS, que mesmo não levando em Pop/Duo Group (a vitória foi de “Rain on Me”, de Lady Gaga e Ariana Grande) por “Dynamite”, mostrou porque é um dos grupos mais bombados e reverenciados não apenas do kpop como também da música no geral. Provou ainda por que tantos adolescentes estão consumindo mais kpop – você tem um combo de bons vocais, apresentações de tirar o fôlego, musicalidade envolvente e letras perspicazes (mesmo “Dynamite” não sendo a melhor do grupo, eles têm muita coisa boa no catálogo). Como o pop dos EUA pode concorrer com esse dinamismo?

Mas o Grammy também foi uma noite dinâmica em sua estrutura – por conta da pandemia, a organização fez adaptações que deram à premiação uma fluidez em suas performances, mais naturalidade na entrega dos prêmios – em um local externo, com convidados em distanciamento social, de máscaras, irmanados com as possibilidades de um show do lado de fora (incluindo barulho de avião haha) e uma apresentação inspirada de Trevor Noah, que deveria prosseguir sendo host ano que vem. Não apenas ele – toda a estrutura deveria ser mais ou menos assim, mesmo correndo o risco de não termos plateia, por exemplo, para uma standin’ O na performance do Black Pumas.

Curiosamente, a organização do Grammy acertou em coisas interessantes que eu tinha ventilado ano passado – tornar a premiação mais rápida, colocando por exemplo os indicados em uma categoria do Big 4 se apresentando e chamando os mais bombados do momento para chamar audiência com a música de sucesso. Além disso, a line-up foi de artistas que fizeram sucesso durante o ano, acts queridos do público e da indústria, e bem mais conectada com os gostos do público mais jovem – o que pode ser uma mensagem do Grammy indicando que eles estão entendendo que a década é outra… Os artistas que dominarão são outros.

(só a disputa entre os puristas e integrados que eu não acertei… Até porque o som da Billie está evoluindo muito mais um bedroom pop do que algo mais disruptivo, e o rap ainda é o som dominante)

De resto? Dado o contexto da apresentação e dos vencedores neste Grammy, eu acho que “Savage” merecia Gravação do Ano – foi #1, rendeu discussão, colocou até o OnlyFans na boca do povo, foi o estouro real de Megan Thee Stallion com o co-sign de Beyoncé. E Gravação do Ano é sobre HITS. HITS que fazem parte do inconsciente coletivo. E “Black Parade” era a melhor letra entre os indicados a Canção do Ano (mas eu comentei aqui que H.E.R. é queridinha do Grammy, então… Nem me surpreendo)

(ah, e já coloquem “Leave the Door Open” como lock fácil em indicações de Gravação e Canção do Ano para o Grammy 2022)

E você? O que achou do Grammy 2021? Concordou com alguma vitória ou acha que tinha algum artista que merecia mais o prêmio? Deixe sua opinião nos comentários! 😉

Grammy 2021 [3] Álbum do Ano

Deveria ter subido este vídeo ontem (tanto que eu falo “amanhã”), mas demorou uma vida para gerar o arquivo

Demorei, mea culpa, mea maxima culpa – todavia habemus um último vídeo pouco antes do Grammy Awards 2021, que acontece hoje, e a pergunta é: quem ganha o prêmio de Álbum do Ano, já que The Weeknd não foi indicado?

Proponho algumas argumentações aqui, sou interrompida por música na rua e ainda teorizo que o mundo acabou em 2012 e ainda não estamos sabendo disso.

Aproveitem e se inscrevam no canal!

Grammy 2021 [2] Gravação e Canção do Ano

Este vídeo foi gravado um dia antes da aprovação da Coronavac, mas os desejos de vacina pra todo mundo em 2021 prosseguem!

Em mais um vídeo sobre os indicados ao Grammy 2021, falamos um pouco sobre os indicados no General Field – Canção e Gravação do Ano – discutindo prováveis vencedores, a “síndrome do Logic”, a importância do Grammy não fazer mais besteiras em 2021 e uma ou outra previsão relacionada ao jogo de xadrez que é ser indicado e levar um Gramofone.

Aproveitem e inscrevam-se!

Grammy 2021 [1] – Pop Field

Eu tinha prometido entregar esse vídeo ontem (19/12) – tanto que até cito a data no vídeo (não ajustei para manter o charme haha) – mas hoje tem vídeo sobre o Grammy!

O papo de hoje é sobre o Pop Field, onde eu comento um pouco sobre os indicados, explicar porque não gostei do cover de “September” feito por Taylor Swift, tento destrinchar o motivo de Justin Bieber não ter sido indicado no field R&B e lanço algumas teorias relacionadas aos prováveis vencedores do Grammy 2021… Ou 22?

Aproveite e inscreva-se no canal!

Álbuns Atrasados – Ariana Grande, “Positions” e Miley Cyrus, “Plastic Hearts”

Duas artistas que começaram em posições bem similares – programas de TV destinados ao público adolescente; duas trajetórias de carreira distintas. Solidez, inquietação, identidade forte e uma busca pela identidade.

Ariana Grande e Miley Cyrus estão em momentos diferentes da carreira e lançaram álbuns recentemente, com resultados diversos e temáticas idem. E neste vídeo, sobre álbuns que eu (Marina Teixeira) deveria ter resenhado mais cedo, explico o que mais gostei ou não de “Positions” e “Plastic Hearts”, além de falar um pouco sobre:

– Cansaço x Identidade

– Ser eclético tem limites

– Trilha sonora de loja de departamentos

– E sons de televisão na sala e avião surgindo no meio do vídeo

Apesar de saber que serei muito criticada por este vídeo, espero que gostem!

Eu não entendi nada

Créditos: https://www.grammy.com/grammys/news/2021-grammys-complete-nominees-list

Na verdade, eu ACHO QUE ENTENDI.

Hoje, às 14h horário de Brasília, saíram os indicados ao Grammy 2021 (que acontece dia 31/01/2021) e recebi várias notificações de amigos no meu Twitter dizendo “Marina VEM CÁ” e eu, no trabalho (terça-feira estou presencial no serviço), não sabia o que fazer, e fiquei pensando: “que. porra. tá. acontecendo?”

Bem, 15h eu peguei minha merendinha e fui conferir as notificações.
Enfim, o Grammy cobre um santo e descobre um outro e eu não sei exatamente o que dizer, a não ser que – de que adianta você romper as caixinhas do que é gênero, não ficar conformado a um estilo só, fazer um álbum pop e submeter no lugar devido, quando seu álbum, sua era e seus singles, alguns dos mais aclamados do ano, não estão em lugar algum? Esse é o caso CRIMINOSO do que ocorreu com The Weeknd nesta terça-feira, 24 de novembro.

Porque a minha suspeita é de que os votantes não o consideraram pop, então não aceitaram as indicações. Ou porque ele já estava criticando as mudanças propostas pelo Grammy em relação ao Progressive R&B, mas… Para colocar no lugar o material do Justin Bieber que não teve… Capilaridade alguma?

Ele não é o caso da Janelle Monaé que foi indicada com o “Dirty Computer” sem apoio algum do field (o que nos leva a crer que o próprio comitê não a vê realmente como artista do field); é um artista com serviços prestados, que tem vitórias… Eu confesso que não entendi de verdade, e tivemos dois casos recentes de artistas que fizeram esse jump de um gênero para o outro sem drama – Taylor Swift há quantos anos é indicada a pop desde que fez a transição de carreira (e continua respeitada no country)? Há literalmente dois anos Bruno Mars ganhou uma porrada de Grammys por um álbum que foi indicado no field R&B (e ele é um artista pop). Eu não entendi, e sinceramente a impressão que dá é algo do tipo “olha, vou até te dar um gostinho, um single aqui, uma collab acolá, mas uma era completa dentro do pop? Nah” Nem Lizzo, que tinha um álbum que nunca foi “Urban Contemporary”, foi jogada lá.

Ou seja, se você não se enquadra na caixinha que “eu” (a Academia) quer (e se não calar a boca sobre isso), não garanta as indicações.

Eu tô tão chocada que adianto logo minha única torcida nesse Grammy – BTS com Dynamite, que mesmo nesse ano bizarro, conseguiu romper a barreira e emplacar uma indicação em Pop/Duo (eu comentei hein). O resto que lute.

Agora, vamos às indicações:

Album of the Year
“Chilombo,” Jhené Aiko
“Black Pumas (Deluxe Edition),” Black Pumas
“Everyday Life,” Coldplay
“Djesse Vol. 3,” Jacob Collier
“Women in Music Pt. III,” Haim
“Future Nostalgia,” Dua Lipa
“Hollywood’s Bleeding,” Post Malone
“Folklore,” Taylor Swift

Record of the Year
“Black Parade,” Beyoncé
“Colors,” Black Pumas
“Rockstar,” DaBaby featuring Roddy Ricch
“Say So,” Doja Cat
“Everything I Wanted,” Billie Eilish
“Don’t Start Now,” Dua Lipa
“Circles,” Post Malone
“Savage,” Megan Thee Stallion

Song of the Year
“Black Parade,” (performed by Beyoncé)
“The Box,” (performed by Roddy Ricch)
“Cardigan,” (performed by Taylor Swift)
“Circles,” (performed by Post Malone)
“Don’t Start Now,” (performed by Dua Lipa)
“Everything I Wanted,” (performed by Billie Eilish)
“I Can’t Breathe,” (performed by H.E.R.)
“If the World Was Ending,” (performed by JP Saxe featuring Julia Michaels)

Best New Artist
Ingrid Andress
Phoebe Bridgers
Chika
Noah Cyrus
D Smoke
Doja Cat
Kaytranada
Megan Thee Stallion

Best Pop Vocal Album
“Changes,” Justin Bieber
“Chromatica,” Lady Gaga
“Future Nostalgia,” Dua Lipa
“Fine Line,” Harry Styles
“Folklore,” Taylor Swift

Best Progressive R&B Album
“Chilombo,” Jhené Aiko
“Ungodly Hour,” Chloe X Halle
“Free Nationals,” Free Nationals
__ Yo Feelings,” Robert Glasper
“It Is What It Is,” Thundercat

Best Pop Duo/Group Performance
“Un Dia (One Day),” J Balvin, Dua Lipa, Bad Bunny & Tainy
“Intentions,” Justin Bieber Featuring Quavo
“Dynamite,” BTS
“Rain On Me,” Lady Gaga with Ariana Grande
“Exile,” Taylor Swift Featuring Bon Iver

Best Pop Solo Performance
“Yummy,” Justin Bieber
“Say So,” Doja Cat
“Everything I Wanted,” Billie Eilish
“Don’t Start Now,” Dua Lipa
“Watermelon Sugar,” Harry Styles
“Cardigan,” Taylor Swift

Alguns pontos:

– A categoria de Álbum do Ano está menos pop do que eu imaginava, mas eu confesso que “Chilombo” da Jhené Aiko me pegou de surpresa no GF. Isso posto, como nenhum dos álbuns aqui tem indicações em Engenharia de Som para Álbum Não-Clássico, eu vou ouvir todos com muita calma e não declarar nenhum favorito de cara. (Fiona Apple, que seria meu chute mais óbvio, ficou de fora)

– Em Gravação do Ano, Beyoncé atualmente é indicada por ser “Beyoncé”, nada mais. Não me surpreenderia se Billie levasse, já que ela virou realmente queridinha pela Academia. Confesso que quanto mais eu a ouço, menos me dá vontade de ouvi-la.

– Já em Canção do Ano… Eu disse que H.E.R entraria em algum lugar, o Grammy venera essa mulher.

– No pop field, minha observação é o fato de que Justin Bieber está chateado (e comentou no Instagram) sobre o fato de “Changes” não ter sido indicado a Álbum de R&B, porque para ele, é um álbum de R&B. Amigo… Terei que invocar novamente o nome de Bruno Mars para indicar a este rapaz de que forma você faz um álbum de R&B e “se vende” como um act do gênero.

Ah, e estou muito feliz mesmo pelos meninos do BTS. Por mais que a gente questione as escolhas do Grammy, uma indicação pela música (e não pela capa do álbum) é importante para sedimentar o kpop como um gênero respeitado dentro da música americana, que é extremamente insular e poderia tratar o som como modinha. Torço de verdade por eles.

Tem mais: é uma indicação que podemos considerar como histórica, e nem podemos celebrar como devido por causa dessa BAGUNÇA armada pelo Grammy.

Sem mais delongas, como o Grammy será muito em cima, pensei em produzir três vídeos – o primeiro, sobre o pop field, que será publicado dia 19/12 (longe demais, Marina, mas será sobre TODO o field haha). Já o segundo é sobre as categorias de Canção e Gravação do Ano; e o último será sobre o Álbum do Ano.

Garanto que serão vídeos bem amargos hahaha E vocês, o que acharam dessas indicações? Podem comentar à vontade!

Tô ficando velha.

Falando de Grammy 2021 [2]

Após o Goldderby revelar as submissões dos artistas e gravadoras para o Grammy 2021, é hora de verificar se o nosso exercício de futurologia faz algum sentido – e provavelmente teremos surpresas bem interessantes chegando…

No segundo vídeo sobre o assunto, voltando a comentar sobre os possíveis indicados ao Grammy (focando sempre no pop field e general field, mas falando um pouquinho sobre a turma do R&B), falaremos sobre o mar de possibilidades no pop, a chance do kpop finalmente ser indicado, como a categoria de Engenharia de Som Não-Clássico pode ser um definidor de vencedores e ainda tem merchan literário!

Dê play e aproveite!

MUITO DIFÍCIL ARIANA GRANDE ERRAR EM UM LEAD

(e não foi dessa vez que ela errou…)

Se tem uma artista que sabe escolher leads, essa pessoa é Ariana Grande. Desde que surpreendeu a todos com um pop/R&B cheio de personalidade em “The Way“, ela fugiu do pop/rock e dance que as colegas saídas de programas de TV juvenis na mesma época adotavam. Um diferencial, além de trabalhar com nomes fortes desde o começo da carreira (não é qualquer uma que já tem BABYFACE produzindo pra você no debut), que fez com que a carreira dela sempre fosse vista de uma maneira mais cuidadosa em relação a outras estrelas da mesma geração.


Com leads que vão mais ou menos na mesma proposta do som que Ariana sempre demonstrou ter mais simpatia e identificação (“Problem“, “Dangerous Woman“, e mesmo as pops “No Tears Left to Cry” e “Thank U Next” eram a embalagem de álbuns com influência pop e R&B), não é de se surpreender que o novo single da moça, “Positions“, do novo álbum que será lançado nesta semana (30/10, gente rápida é assim) tenha a mesma linha. No entanto, Ariana sempre se mantém fresh, nunca errando em seus leads (mesmo que eu particularmente não seja a maior fã de “Thank U, Next”, o fato é que não tem outra faixa por ali que seja abertura de era com a mesma habilidade que esta), especialmente quando o novo single é tão gostoso de ouvir, mantendo o ar comercial ao mesmo tempo que sendo muito bem feito e produzido.

Com uma levada anos 2000 (até fui caçar se tinha produção de Stargate) e uma certa dose de atualidade com o delivery mais trap, tem guitarrinha na levada e até violino, indicando que provavelmente a nostalgia continua (gente, 2000 tem 20 ANOS), mas com um toque bem moderno, onde nostalgia é apenas uma doce memória.

A letra é fácil e o refrão é grudento até cansar, na terceira ouvida você já canta fácil “switching the positions for you” – e a duração curtinha tem um objetivo: STREAMS, porque se tem alguém fora do rap que entende perfeitamente o que é lançar música atualmente… Ariana Grande lê muito bem o mercado, mas consegue ao mesmo tempo produzir músicas BOAS de verdade sem comprometer sua própria personalidade. Aliás, eu deveria parar de me impressionar em como ela é uma artista incrível, mas não consigo. Ariana está chegando ao SEXTO álbum, e não há mostras de que o material lançado desde o primeiro CD tenha algum momento que caiu para subir. Ela vai melhorando, moldando o som e sendo mais ousada em suas escolhas artísticas e escolha de produtores (“Sweetener” é o maior exemplo disso) mesmo dentro do estilo que ela gosta; e existe a busca por subir, crescer e melhorar. Imagina o que tem no álbum…

No geral, “Positions” já é uma das melhores músicas do ano – e o ano foi repleto de ótimas faixas, e vou adiantando que isso aqui é lock em Pop Solo no Grammy haha

Ariana Grande imagines life in the White House in 'Positions' video - CNN

A única coisa que eu realmente não curti do lançamento foi o vídeo, dirigido por Dave Meyers, que já virou o novo parceiro artístico de Ariana. Produção boa, elementos técnicos ok, mas eu esperava um vídeo mais literal, de acordo com a música. Sério, algo que fosse sexy e romântico, Netflix and chill, e a música merecia algo assim, e não algo apenas divertido. Tanto que eu prefiro ouvir a faixa e não ver o vídeo – e olha que não tenho muito problema em vídeos que não conversam com a letra da música, mas a produção é tão gostosa, orgânica, que o vídeo poderia acompanhar esse espírito… Mas enfim, opinião pessoal (e que provavelmente não deve ser lá muito popular)… e vocês?

O que acharam do novo single de Ariana?

Que saudade da Cardi!

Cardi B é sempre um evento – não apenas por suas músicas serem viciantes, personalidade magnética, visuais incríveis nos vídeos e todos os momentos virais que ela acaba proporcionando nas redes sociais. Ela sabe como agregar amor e ódio na mesma medida, mas possui uma leveza absurda que a torna identificável. Seus dilemas, rants, os papos, até os live-tweets dela acompanhando novelas turcas são os nossos dilemas, e por isso ela atrai a atenção de tanta gente, não importando a idade.

Após dois anos mágicos, com #1, top 10, parcerias de impacto, polêmicas, casamento, uma filha (a fofíssima Kulture) e um Grammy (o primeiro de Álbum Rap para uma rapper feminina em um álbum solo), Belcalis finalmente está de volta com o lead single “WAP” (sigla para Wet Ass Pussy) com a participação de uma das rappers mais hypadas dos últimos anos, Megan Thee Stallion. A música foi lançada na sexta-feira (07) e logo chegou às primeiras posições nos charts e já gerou memes, discussões sobre “por que Kylie Jenner e Rosalía estão no vídeo”, parlamentares republicanos xingando muito no Twitter e muita gente, mas muita gente mesmo, celebrando duas mulheres falando abertamente sobre sexo – com poder, diversão e metáforas deliciosas.

Sim, eu AMEI “WAP”, é a música pro verão americano se não houvesse uma pandemia. Além do uso de sample genial (ouça “Whores in this House” de Frank Ski e entenda), a música tem um tema direto: basicamente “se você quer me fazer gozar, tem que trabalhar”, e fica bem explícito em momentos como “Bring a bucket and a mop for this wet-ass pussy”, “I want you to park that big Mack truck right in this little garage” (SOCORRO!), “He bought a phone just for pictures of this wet-ass pussy”, “I want you to touch that lil’ dangly thing that swing in the back of my throat” e “When I ride the dick, I’ma spell my name”.

Direto, reto, sem muita enrolação e colocando como prioridade a vontade e o prazer delas, Cardi e Megan mostram não apenas habilidade lírica como também um delicioso senso de humor. Megan quase rouba a cena como featuring (o delivery rápido dela é uma metralhadora), mas os versos de Belcalis tem a impressão digital dela, o que mostra que neste período, ela não mudou seu jeito para agradar o grande público.

Com divisão boa de versos e batidão gostoso, uma coisa que me deixou muito orgulhosa na produção (dividida entre Ayo The Producer e Keyz, que produziram “Bickhenhead” da própria Cardi) é que tem sim uma certa sensibilidade radiofônica, mas sem perder a essência rap da faixa, nem fazer concessões. É uma sutileza que torna a faixa grandiosa, mesmo que “WAP” não seja essencialmente uma superprodução. É até equilibrada e discreta em sua batida. Uma delícia.

Agora, vamos ao vídeo!

Apesar da versão usada no clipe dirigido por Collin Tilley ser a clean (que é decididamente muito ruim em relação ao brilhantismo da original), o vídeo é sensacional. Colorido, com looks, excesso, coreografias, levou a ideia de “There are some whores in this house” para um novo nível; e se você não entendeu porque sai água por baixo da porta da casa… Então…

Com direito a cameos famosos e visuais de estilistas , o vídeo de “WAP” traz algo que há muito tempo os ouvintes de pop americano estão buscando nos artistas errados. É uma opinião que pode gerar polêmica, mas vi no Twitter e concordei plenamente – quem está trazendo coreografia (bem realizada), referências pop, visuais e looks com potencial de serem icônicos são as rappers. Cardi, Megan, Nicki antes delas, Doja; ver os clipes delas é nunca esperar por menos. Você percebe que tem PRODUÇÃO, cuidado, escolha de figurino, os melhores diretores, referências legais que podem ser discutidas no dia seguinte à exaustão, acompanhadas de músicas que são viciantes de verdade.

E isso não é de hoje. Não surgiu em 2020. Hora de assumir que quem está empurrando e desafiando, quem está rompendo as barreiras no espectro pop não faz música pop. É o caso de Cardi, que desde “Bodak Yellow” só vem subindo o nível de suas produções, nunca considerando o último vídeo o suficiente. Os fãs e a indústria agradecem.

Ah, e sobre a minha preocupação a respeito dos protocolos de segurança contra a COVID para gravação do vídeo: pelo que andei lendo, foram realizados testes diários com a equipe responsável, além de, em algumas fotos divulgadas nas redes sociais, aparecer a equipe com máscaras e até plástico nos sapatos. Bem, não é exatamente distanciamento social, mas o tipo de testes e o cuidado durante a gravação deve ter sido bem maior do que o normal – é o que eu espero.

(mesmo assim, não façam isso em casa, pelo amor de Deus! Lavem as mãos e higienizem com álcool em gel!)

E vocês, o que acharam da música e vídeo para “WAP”? Fiquem à vontade para comentar!