Previsões para o Grammy 2017

GRAMMYS_logo_backplateUPDATE! https://duastintasdemusica.wordpress.com/2016/11/06/previsoes-para-o-grammy-2017-edicao-com-estrelas-e-bicicletas/

Chegamos no mês em que todo mundo começa a especular sobre as indicações ao Grammy 2017. Antes mesmo do fim do período de elegibilidade, os jornalistas na gringa começam a fazer previsões e pensar em quais álbuns até o momento estão mais próximos de fazer o corte final.

Aqui não é um jornalista gringo, mas eu sempre faço essas previsões desde a criação do blog – tanto agora em Julho quanto lá pra Setembro/Outubro, após o período de elegibilidade – tanto para ver como está o ambiente para a popsfera para indicações ao Grammy; quanto pra gente brincar de futurologia. Afinal de contas, o próximo ano promete ser mais incrível e polêmico que no último Grammy!

Quer saber se o seu artista favorito pode fazer parte do corte final? Então clique em continuar lendo! *lembrando sempre que eu brinco de futurologia no pop field e no general field 😉

Melhor Álbum Pop

adele-25-coverUm dos indicados a gente nem precisa dizer, né? Adele e o “25” foram um momento absurdo no final do ano passado – eu lembro que todo mundo correu desesperado atrás de um link pra ouvir o CD, que passou meses fora de qualquer serviço de streaming. Todo mundo chorando rios com as faixas, e apesar da crítica não ter elogiado massivamente o álbum, teve vendas histórias (um recorde que dificilmente será batido) e mesmo com a Adele apenas em tour, o álbum ainda emplacou outra faixa além de “Hello”: o pop de “Send My Love (To Your New Lover)”. Pobre menina “When We Were Young”!

Mas além da Adele, quem vai acompanhar a britânica nesta lista? O período entre o final de 2015 e este primeiro semestre de 2016 teve muitos lançamentos, especialmente CDs de impacto de artistas mais novos, saindo da base mais teen e emplacando com o público crossover. Desse grupo, quem dá pra gente confirmar que entra na lista é o Bieber pelo “Purpose”. O álbum foi um hit MASSIVO, emplacando três #1 com “What Do You Mean”, “Sorry” e “Love Yourself”. Aliás, “Sorry” tem chances de entrar em outras listas aqui. Além do sucesso, o álbum foi muito bem recebido pela crítica, e a trend tropical house assentou muito bem no Bieber. Quem diria, de seguidor de tendência para aquele que dita as tendências (se bem que não esqueço que WDYM é muito parecida com “Cheerleader”).

A lista segue com uma indicada já conhecida da bancada – Sia, que mesmo com um álbum meeiro como o “This is Acting”, vai emplacar indicações, creio eu, porque o Grammy não indicaria tantos álbuns de “artistas teen”. Já basta o Bieber. Além disso, ela será carregada pelo sucesso estrondoso de “Cheap Thrills”, que pode emplacar outras indicações no Grammy.

Dessa lista, ainda dá pra incluir o Coldplay com o “A Head Full of Dreams”, que pode não ter feito o mesmo barulho do antecessor, mas o Grammy adora a banda; e a Gwen Stefani. Sim, ela mesma! “This is What the Truth Feels Like” foi lançado em #1 na Billboard e mesmo com a recepção boa-mas-um-tanto-morna da crítica – além dos singles não terem sido hits, o fato dela ter conseguido retornar com um material completo, com praise da crítica, e a própria Gwen ter indicações anteriores (as seis indicações do Love. Angel. Music. Baby. não deixam mentir, além dos prêmios e indicações quando era parte do No Doubt)  a creditam para entrar na lista.

Por enquanto, o corte final ficaria assim (um tanto conservador para o meu gosto, mas é assim que o Grammy pensa, so…):

Adele -“25”
Coldplay – “A Head Full of Dreams”
Justin Bieber – “Purpose”
Sia – “This Is Acting”
Gwen Stefani – “This is What Truth Feels Like”

Wildcards:

Selena Gomez – “Revival”
Zayn – “Mind of Mine”
Ariana Grande – “Dangerous Woman”
Meghan Trainor – “Thank You”

Como eu disse, o Grammy não vai indicar tantos teens de uma vez (ele já fez o esforço de indicar Miley e Ariana em 2015), mas se eu tivesse esse poder, colocaria no lugar do Coldplay e da Gwen ao  menos a Selena e o Zayn, ou a Selena e a Ariana, ou a Ariana e Zayn. Qualquer uma dessas combinações me pareceria justa. Selena Gomez refez sua carreira como uma intérprete competente num álbum sutil e extremamente bem produzido como o “Revival”; já o Zayn se descolou da imagem de membro de boyband com um dos álbuns mais legais deste ano, o “Mind of Mine”, com um material que muito act por aí gostaria de ter gravado; e a Ariana Grande, apesar do desempenho abaixo das expectativas com o “Dangerous Woman”, trouxe mais um petardo para as rádios, consistente, bem escrito, bem produzido e a cara dela.

Já a Meghan eu incluí essencialmente pelo fator “sucesso”. O “Title”, infinitamente melhor, não foi indicado às categorias pop no último Grammy, mas não duvido que a vitória em Best New Artist carregue a moça até aqui. Espero que não, porque o “Thank You” é uma bomba.


 

Melhor Performance Pop

Já dá pra gente classificar Adele e Justin Bieber locks? “Hello” e “Sorry” foram sucessosJustin Timberlake - Can't Stop The Feeling baixar massivos e com praise da crítica, e não dá pra negar que o Bieber conseguiu um hit assinatura e uma marca na cultura pop com a frase “Is it too late now to say sorry?”. Já pensando nos três que podem fazer o corte final, tudo depende de como os players vão se mexer nas indicações – no caso, que músicas os artistas e a gravadora vão submeter, e em que fields.

Se a Sia, por exemplo, colocar Cheap Thrills em Performance Pop, entra fácil no corte final. Mas se ela preferir submeter a faixa com o remix do Sean Paul, manda pra Colaboração Pop, onde a disputa me parece suave, mas com chances de chegar ao corte final (por motivos de #1 na Billboard). Já o outro Justin, o Timberlake, tem chances fáceis de entrar aqui. “Can’t Stop The Feeling” foi sucesso e mostrou que o rapaz ainda tem lenha pra queimar no pop.

Já a última vaga? Wildcards eu escolho vocês!

Por enquanto, minha lista seria essa:

Adele – “Hello”
Justin Bieber – “Sorry”
Justin Timberlake – “Can’t Stop The Feeling”
Sia – “Cheap Thrills”*
A quinta vaga que pode vir dos wildcards ou de alguém que estourar daqui até 30 de setembro

Wildcards:

Zayn – “Pillowtalk”
Ariana Grande – “Dangerous Woman” ou “Into You”
Meghan Trainor – “No”
P!nk – “Just Like Fire”
Selena Gomez – “Hands to Myself” 

Os mesmos suspeitos de sempre podem fazer o corte final, dependendo de alguns fatores: 1. sucesso da faixa; 2. qualidade do material; 3. peso do nome; 4. combinação com as outras indicações no field. Da lista acima, acho que se a Sia optar pelo remix de CT para submeter, os votantes podem ou optar pelo #1 de Pillowtalk (mesmo que o rapaz não faça o requisito lá em Álbum Pop) e a segurança da P!nk com “Just Like Fire” (outra trilha sonora de filme). Agora, caso a Sia vá com “Cheap Thrills” solo, eu acho que a disputa fica entre o Zayn e a P!nk, com toda essa turma (Ariana, Meghan e Selena) esperando a sobra.


 

Melhor Performance Pop por Duo ou Grupo

Fifth Harmony - Work from homeEsse ano foi uma grande festa solo, por isso, acredito que tudo pode acontecer. Percebeu que não temos indicados fáceis, e pode ser que uma colaboração daqui até 30 de setembro pode fazer o corte final.

Aqui também as coisas dependem da Sia. Caso ela e a gravadora submetam “Cheap Thrills” remix com o Sean Paul, ela é lock. Dá pra gente incluir outros players interessantes que podem tornar a categoria bem interessante – como o DNCE com “Cake By The Ocean”. Sim, a banda do Joe Jonas cumpre os requisitos, a música é bem redondinha, fez bastante sucesso e não ficaria nem um pouco surpresa com uma indicação deles aqui – especialmente pela falta de indicados de vulto este ano.

O Coldplay emplacando a indicação com AHFOD ou não, dificilmente impede os britânicos de conseguirem fazer o corte final com “Hymm for the Weekend” com a Beyoncé (VOCÊ ACHA QUE A BEYONCÉ NÃO VAI TENTAR ESSA? Sabe de nada inocente) – especialmente porque a Bey vai emplacar indicações até em “Melhor motivo pra explicar que seu marido é um babaca que traiu você” (se essa categoria existisse). Nem é por motivos de sucesso ou crítica, é peso do nome dos indicados mesmo na premiação.

Quem pode surpreender nessa categoria até pela falta de indicados com mais peso aqui são as meninas do Fifth Harmony. Já que o Grammy está aparentemente mais aberto a artistas jovens, porque não uma indicação por “Work from Home”? Aqui pelo menos todas cantam e tem destaque na faixa, que é bem dividida e ainda conta com o guest rapper Ty Dolla Sign. Por que não abrir espaço para as girlbands? Backstreet Boys já foram indicados a Álbum do Ano, Canção e Gravação do Ano!!! (por “Millenium” e “I Want It That Way”, respectivamente, em 2000)

Quem poderia fazer a quinta vaga? Adoraria invocar os poderes das Wildcards, mas é melhor esperar até depois de 30 de setembro pra determinar alguma coisa nessa categoria.

Por enquanto fica assim:

“Cheap Thrills” – Sia feat. Sean Paul*
“Hymm For the Weekend” – Coldplay feat. Beyoncé
“Cake by the Ocean” – DNCE
“Work from Home” – Fifth Harmony feat. Ty Dolla Sign
A quinta vaga que pode vir de algum act até 30 de setembro


General Field

Artista Revelação

Se tem uma categoria que adora fazer umas mudanças, essa categoria é a de Artista alessia-cara-15Revelação. E o Grammy estabeleceu uma novidade nesta categoria: agora, para ser elegível, o artista deve ter lançado entre um mínimo de cinco singles ou um álbum e 30 músicas ou três álbuns; ou ter estourado no período de elegibilidade. Ah, e não pode ter entrado nessa categoria mais que três vezes, incluindo como membro de um grupo famoso.

O objetivo do Grammy é refletir, através de suas indicações, a forma como os artistas são revelados ou estouram na mídia. Atualmente, não é necessário apenas nunca ter lançado CD e ser um novato. Se você já tiver uma carreira iniciante mas só estourou no segundo álbum, tem chances. Caso só tenha gravado cinco músicas e pelo menos uma delas chegou lá, você tem chances. Isso expande as possibilidades para todo mundo, tanto para abarcar bons artistas quanto para saber quem é o act vencedor que não verá a cara do sucesso na próxima era (o famigerado Grammy Curse).

Curiosamente, este ano não tivemos grandes estouros de novatos – em sua maioria, acts estabelecidos ou jovens artistas tentando crescer na carreira lançaram material – mas tem muita gente nova e com fome de sucesso que apareceu aqui ou acolá e que o Grammy pode ter prestado atenção. Como geralmente eles pensam em fields, a bancada pode escolher os artistas/bandas que mais se destacaram em cada field.

O corte “final” pode ser esse:

Alessia Cara (jovem cantora de pop/R&B alternative canadense, surgiu no landscape com o single “Here”, antes do período de elegibilidade. Mas o álbum foi lançado no final do ano passado, já podendo concorrer. Ela já vem fazendo um barulho, emplacou faixa no top 5 da Billboard Hot 100 e tem praise da crítica).
Chance the Rapper (o rapper de Chicago que roubou a cena no The Life of Pablo tem três mixtapes no currículo – incluindo “Coloring Book”, lançada só em streaming e dentro do período de elegibilidade. Tanto que por conta desse lançamento, o Grammy mudou outra regra: agora, lançamentos só em streaming podem ser considerados para votação. Dentro das novas regras, a gente infere que ele pode entrar aqui.)
Lukas Graham (pode ser a cota pop da lista, já que a banda dinamarquesa, apesar de ter outro álbum lançado, só foi estourar mesmo este ano com “7 Years”. Não é exatamente a minha banda favorita, mas fez sucesso; e na falta de outros acts relevantes, eles podem entrar na dança.)
Algum act country que vão arranjar do âmago
*twenty one pilots (eu asterisquei o grupo porque apesar deles terem estourado mesmo com “Stressed Out”, que peakou em #2 em fevereiro deste ano, todos os quatro álbuns foram lançados antes do período de elegibilidade. PERA, QUATRO? Na verdade, são dois álbuns por uma gravadora e dois independentes. Isso até pode tirar prováveis chances, mas a banda pode entrar na “Meghan Trainor situation”, que levou Best New Artist este ano e tinha três álbuns independentes antes. Seria a cota ~rock~ da lista)
Record of the Year

Cover Beyoncé FormationAgora a conversa é de gente grande! Como já explicado outras vezes, Record of the Year premia a gravação nos aspectos de produção da música. Quem ganha esse award são o cantor/banda, o produtor da faixa e os engenheiros de som que trabalharam na música. A lógica das indicações aqui segue geralmente a mesma ideia do Artista Revelação – os votantes trabalham com os fields. Às vezes um field tem mais representantes que o outro, mas os anos mais surpreendentes são quando todos os estilos são representados.

Este ano, tem pelo menos três locks nessa categoria – onde sempre entram os sucessos do ano: “Hello”, “Formation” e “Sorry”. Além do sucesso e impacto dessas faixas, são músicas muito bem produzidas, seja através de uma escolha mais simples e clássica (que os mais velhos da Academia adoram), algo mais à frente, que é mais divisivo ao mesmo tempo em que consegue ser inovador e interessante; ou a tendência de um período encapsulado numa faixa só. Como se pudéssemos definir um ano por uma música.

Por isso, acho que o corte final, noves fora, fica:

“Hello” – Adele
“Formation” – Beyoncé
“Sorry” – Justin Bieber
Algum country act/indie act
“One Dance”, Drake / “Work”, Rihanna feat. Drake

(é um corte extremamente pop, e não sei se a academia seguiria por esse rumo. Mas acho que os três primeiros estão no caminho até chegar à final.)

(sobre eu ter colocado uma barra nas possibilidades do Drake, eu desconfio de que a quantidade de singles que ele lançou este ano pode ser um problema. Que faixas ele submeteria? O que seria canibalizado por suas parcerias no meio hip hop e seus trabalhos com a Rihanna? E se eu fosse a Rih, negociaria as submissões com o Drake haha)
Wildcards: “Cheap Thrills”, Sia “Love Yourself”, Justin Bieber; “No”, Meghan Trainor”, “Into You”, Ariana Grande, “Hands to Myself”, Selena Gomez, “Pillowtalk”, Zayn, “Just Like Fire”, P!nk, “Can’t Stop the Feeling”, Justin Timberlake, “Dark Necessities”, Red Hot Chilli Peppers

Song of the Year

Esse prêmio destaca o trabalho de composição da faixa – por isso, quem leva o gramofone David_Bowie_-_Blackstar_song_cover_artsão os compositores da música. Caso o artista também tenha composto a faixa, é o melhor dos dois mundos, né?

Aqui, ainda continuo com os meus locks, especialmente porque tanto Adele quanto Beyoncé trouxeram álbuns com conteúdo lírico bem envolvente. E Bey ainda pode submeter outra música aqui – por que não deixar “Formation” pra ser indicada em ROTY e submeter “Freedom”, com o Kendrick Lamar, em SOTY? É uma jogada famosa e que funciona sempre.

Adele vai mandar “Hello”, evidentemente, mas aqui acho que o Bieber vai começar a falhar. A possibilidade de colocar acts mais consagrados aqui é maior, e não sei até que ponto a Academia vai comprar Justin Bieber compositor. Ou, espertamente, ele pode submeter “Love Yourself”, que tem a brand do Ed Sheeran, ganhador de Song of the Year este ano.

Já os outros indicados, acredito que aqui teremos a chance de ver coisas muito interessantes acontecendo, que vão reverberar em Álbum do Ano. Paul Simon, uma lenda da música mundial, e já aclamado com 12 prêmios Grammy e cinco indicações a Álbum do Ano. O homem ganhou Álbum do Ano mais de uma vez e é respeitadíssimo. Este ano, Paul Simon lançou o novo álbum de estúdio, “Stranger to Stranger”, e não duvido nada de que tanto o álbum quanto um dos singles do álbum sejam submetidos ao Grammy para votação – e façam o corte final. O homem é uma lenda viva.

Outra pessoa que pode dar as caras, desta vez post-morten, é David Bowie. “Blackstar”, último álbum do mito, recebeu aclamação mundial antes e depois de sua morte. Praticamente uma mensagem para os fãs, o álbum ainda rendeu singles e vídeos cheios de mensagens que logo começaram a ser desvendadas pelo público após a morte de Bowie. Mesmo ele não sendo uma das figuras mais queridas pela Academia (de 10 indicações, ele levou só um Grammy e depois um Lifetime Award), acredito que os votantes vão tentar compensar erros de décadas com a chance de colocá-lo tanto nos fields quanto nas categorias gerais. Antes tarde do que nunca. Mas que poderia ser em vida, podia né?

Noves fora, acredito que o corte final ficaria assim:

“Hello” – Adele
“Formation” ou “Freedom” – Beyonce
Algum country act/indie act
“Wristband” – Paul Simon
“Blackstar”ou “Lazarus” – David Bowie

Wildcards: “Cheap Thrills”, Sia; “Love Yourself”, Justin Bieber, “Famous”, Kanye West (sim, não duvido de nada), “Work”, Rihanna feat. Drake

Album of the Year

Stranger_to_Stranger_coverPois bem, a cereja do bolo! Como eu já vim indicando nas categorias anteriores, os indicados ao prêmio principal da noite virão, em sua maioria, de acts consagrados. Eu não acredito muito que os votantes vão optar por prêmios super pop ou um corte final mais popular – principalmente porque o Grammy ainda quer – e precisa manter a credibilidade, especialmente depois de dois anos seguidos de upsets (com a Beyoncé e o Kendrick). Por isso, eu acredito que eles vão elaborar uma lista forte, com candidatos bons, e que se os favoritos mais mainstream perderem, perderão para algum nome mais antigo e querido da Academia.

Aí você me diz: “então de novo a Beyoncé vai perder com um álbum genial?”. Calma, eu não tô dizendo que ela vai perder; só estou explicando que uma derrota de um “Lemonade” ou mesmo de um “25” para um “Stranger to Stranger” ou “Blackstar” será minimamente mais compreensível, mesmo que ecoe no ar um sentimento de “o Grammy sempre joga no seguro e nunca se arrisca a capturar o espírito de uma época”.

É nesse diálogo cheio de conflitos que essa premiação vive; e o nosso exercício de futurologia também trata de entender as necessidades da Academia e o nosso como público.

Hora do corte final:

Adele – “25” (cumprindo a cota pop)
Beyoncé – “Lemonade” (cumprindo a cota R&B/Urban)
David Bowie – “Blackstar” (cumpre tanto a cota de “lenda veterana prestigiada” quanto “homenagem após a morte)
Paul Simon – “Stranger to Stranger” (cumprindo a segunda cota de “lenda veterana prestigiada”)
Chance the Rapper – “Coloring Book” (cumprindo a cota hip hop)*

*no entanto, como eu acredito que a Academia pode achar que só a Beyoncé basta da cota R&B/urban/hip hop, pode entrar aqui algum indie ou country act. Mas só da mixtape do Chance ter instigado o Grammy a mudar uma das regras de votação, acho que ele consegue chegar até aqui hein)

Wildcards: “Views”, Drake; “ANTI”, Rihanna; “This is Acting”, Sia; “The Getaway”, Red Hot Chilli Peppers; “The Life of Pablo”, Kanye West


 

Outras categorias

Urban Contemporary Album: prepare-se para o duelo de titãs Beyoncé x Rihanna. E ainda tem Chris Brown esperando na mesma categoria.

R&B Album: Janet Jackson pode entrar com o Unbreakeable da Janet, foi lançado no comecinho do período de elegibilidade… Mas o Grammy ainda tem má vontade com ela por causa do Nipplegate?

Rap Album: acho que vai ter disputa duríssima aqui, com Kanye West, Chance The Rapper e Drake, sem contar outros lançamentos de vulto.

Terminei o meu exercício de futurologia! E vocês, o que acham das previsões? Acreditam que algum dos seus artistas fará o corte final? Quem vai surpreender? Quem será esnobadíssimo? Comente!

Anúncios

9 comentários sobre “Previsões para o Grammy 2017

  1. No rap pode mudar o Danny Brown acabou de lançar um puta álbum de 86/100 na Metacritic. Tirando que ele tá a cima de 4 estrelas em várias revistas,críticos e reviews. O Ponto forte que Danny Brown

    Candidatos fortes para melhor Álbum pode ser esses:

    Danny Brown – Considero o melhor álbum de rap do momento

    Drake – àlbum com melhores estásticas

    Schoolboy Q – Pupilo de Kendrick lamar com isso pode ter uma morla e também lançou um álbum muito sólido.

    Kanye West – Sempre ganha quando disputa e tem muito moral na competição

    YG- Lançou um álbum Nostálgico trazendo uma parada mais G-FUNK e WEST G pode comover..

    Chance the rapper – Tem a melhor mixtape de rap do ano

  2. DEPOIS DE LEMONADE TER A NOTA MAIS ALTA DO ANO, E SABENDO QUE A BEYONCE JA CONCORREU EM ALBUM DO ANO, NO MINIMO UMAS 3 VEZES… ACHO QUE ESTÁ NA HORA DO GRAMMY RECONHECER DE VEZ O PODER DA BEY NO MERCADO FONOGRAFICO, E PREMIA-LA NAS CATEGORIAS PRINCIPAIS, AO INVES DE FICAR PREMIANDO-A COM CATEGORIAS SECUNDARIAS. BORA REVER SEUS CONCEITOS NÉ GRAMMY?

  3. Concordo com a maioria dos indicados, algum aqui e ali incomodam um pouco, mas temos que nos contentar com a realidade. Acho que em SOTY Justin opte por Love Yourself por fatores um pouco óbvios para mim, Acho que Cheap Thrills teria bastante chance, caso Famous não seja indicada também, colocaria 7 Years em Wildcards, gosto bastante da música. Não sei se This Is Acting está a altura de AOTY, mas estou na torcida. Sia entra forte em SOTY, ROTY, Melhor Performance Pop por Duo ou Grupo e outra categoria que não foi mencionada, Melhor Canção Para Mídia Visual, com Sledghammer, Try Everything e Waving Goodbye (No mínimo uma das três tem que ser indicada né?!).

  4. Marina minha querida kkkk todos os anos eu sempre concordo com suas previsões para o grammy mais esse ano tenho opiniões bem diferente, e preciso contar a você.

    Sobre Melhor album pop estou dividido, por um lado a velha historia quase verídica de que Teens não ganham Grammy, e do outro minha cabeça tende a acreditar que esse ano os Teens acts merecem indicações.
    não acho que Gwen e Sia serão lembradas nesta categoria, Gwen tem um album bom mais que passou tão despercebido que não acho que será lembrado e o Album da Sia não tem muita qualidade anto o anterior album dela e o fator Sucesso não ira ajuda-la aqui, o album não tem vendido bem, e os singles fracassaram tirando Cheap Thrills que até está tendo sucesso mais com sua versão remix.
    ColdPlay, pra mim so entra nesta categoria por ser uma banda queridinha do grammy.
    sobre os Teens acho que tudo é possível, não vejo Zayn sendo indicado o album até é bom mais acho que a imagem dele ainda e muito associada ao 1D fora o detalhe que o album fracasso nas vendas.
    Os album de Ariana e Selena estão no mesmo patamar de qualidade, com Selena tendo bom desempenho nas vendas de single e a Ariana vendendo muito bem o Album acho que a favorecida sera Ariana por já ter sido indicada anteriormente acho mais facil o Grammy lembrar o nome dela aqui.
    Meghan não a vejo indicada nem com muito jaba.

    Acho melhor abrir mais um espaço em Performasse por Duo ou Grupo, por que se o grammy vai ter que engolir muito sapo pra poder indicar Selena e Ariana, acho quase IMPOSSÍVEL vermos 5Harmony no grammy (Se elas Merecem Sim, Single bom e de sucesso) mais o Grammy não vai indicar um grupo com imagem tão associada ao publico Teen.
    Essa categoria sempre e bem concorrida, mais esse ano não vejo nenhum ganhador claro, dos indicados minha unica certesa e que teremos a Sia aqui.

    Artista revelação: Tudo é possível, com as novas regras ate a Dark Horse pode ser indicada.

    em Record of the Year, não vejo a Riri indicada, e sobre os Wildcards, acho que quem tem chance e a Sia e o Timberlake, se Ariana entrar aqui(Acho impossível ter teens nessa categoria) seria com Dangerous Woman o single tem mais sucesso do que Into You.

    Song of the Year: Teremos Famous kkk

    Sobre a Cereja do Bolo, alem de Adele e Bey aposto no Drake.
    MARINAAAH como você eu também não engoli o ANTI da RiRi oque esse album horrível ta fazendo aqui em Wildcards em?.

    Bom Chega né !, já opinei de mais kkkk bjs adoro o blog parabéns pelo post.

  5. Parabéns, ótimas observações sobre cada categoria, principalmente à álbum do ano, Academia certamente optará pelo mais seguro.

    Acho que Views pode entrar nessa disputa, no lugar de um destes dois veteranos..

Comente aqui!

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s